Em Destaque Sociedade

Selo da Diversidade premiou práticas inclusivas nas organizações

Primeira edição do Selo reuniu 29 candidaturas de 16 entidades
Versão para impressão
por redação

Doze práticas para a diversidade foram reconhecidas na primeira edição dos Selos da Diversidade, na Gala da Carta Portuguesa Para a Diversidade, no Auditório da Universidade Atlântica, em Lisboa.

A EDP foi a empresa mais premiada, ao angariar um Selo da Diversidade, na categoria de “Desenvolvimento profissional e progressão na carreira”, e três menções honrosas, nas categorias de “Cultura organizacional”, “Recrutamento, seleção e práticas de gestão de pessoas” e “Condições de trabalho e acessibilidades”.

A Ericsson venceu o Selo na categoria “Compromisso da gestão de topo e dos outros níveis hierárquicos”, bem como uma menção honrosa na categoria de “Condições de trabalho e acessibilidades”.
A categoria de “Cultura organizacional” apenas teve menções honrosas – além da EDP, foram ainda distinguidas o BPN Paribas e a Essilor.

A Fundação AFID Diferença arrecadou o Selo na categoria “Comunicação da Carta e dos seus princípios”, enquanto a Media em Movimento foi distinguida com uma menção honrosa na mesma categoria.

Já a Câmara Municipal de Lisboa venceu o Selo da Diversidade na categoria de “Condições de trabalho e acessibilidades e, além da EDP e da Ericsson, também a L’Oréal recebeu uma menção honrosa.

Presente na cerimónia, a secretária de Estado da Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro, elogiou o trabalho levado a cabo pela comissão executiva da Carta Portuguesa para a Diversidade, que decidiu este ano lançar o Selo da Diversidade.

“A gestão da diversidade é um imperativo estratégico para as empresas e organizações em resposta a sociedades cada vez mais diversas. Não podemos acreditar que a inclusão da diversidade e da diferença se faz de forma natural, recaindo sobre as organizações desafios particulares de inclusão e de garantia do pluralismo”, disse, acrescentando que “é fundamental mudar a cultura e as práticas de gestão para que as características e competências de cada pessoa possam ser integradas, respeitadas e valorizadas”.

Já a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, sublinhou “as problemáticas relacionadas com a inclusão das pessoas com deficiência”, uma área que considera ser preciso “trabalhar bastante”.

“Muitas vezes ficamo-nos pelas questões da diversidade de género, étnica, social… a inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho é uma necessidade real de que até temos consciência, mas se calhar nunca parámos para pensar quantos colegas com deficiência temos”, afirmou.

“Diversidade é acabar com as caixas, deixar de ver as caixas e conseguir ver o conteúdo que lá está dentro, de preferência mesclado, misturado, por forma que as diferenças sejam cada vez mais ténues e que não nos apercebamos delas”, acrescentou.

Carta já conta com 193 signatários

Durante a Gala, Carla Calado, gestora de projetos da Fundação Aga Khan e membro da comissão executiva da Carta Portuguesa para a Diversidade, anunciou que são já 193 os signatários deste instrumento de promoção da diversidade e sublinhou o papel da Delegação Norte da Carta Portuguesa para a Diversidade, que fez aumentar o número de organizações signatárias nesta região.

Atualmente, 44% dos signatários são empresas, 35% são organizações sem fins lucrativos, 15% são organizações públicas, havendo 4% de instituições de ensino e de associações empresariais. Destes, 69% estão em Lisboa e 22% no Norte, havendo ainda 1% de signatários do Alentejo e Algarve e 1% nos Açores.
Carla Calado adiantou que será lançado em breve um toolkit de apoio à implementação de práticas, instrumento que já suscitou interesse da parte da Comissão Europeia para a sua replicação a nível europeu.

Já Cristina Milagre, do Alto Comissariado para as Migrações, também membro da comissão executiva, sublinhou que a “Carta Portuguesa para a Diversidade surge como um movimento natural das organizações e não como um pedido, uma exigência feita pela política pública ou alguma organização de associados”.

“Contudo, sentimos falta de iniciativas de recrutamento e seleção da parte das organizações. É um primeiro passo que tem de ser muito investido”, vincou.

A Gala contou, ainda, com dois momentos musicais, o primeiro do coro Mãos que Cantam, composto por alunos surdos da licenciatura e mestrado em Língua Gestual Portuguesa do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica, e o segundo protagonizado pelo grupo Kalunga Project.

Recorde-se que a primeira edição do Selo da Diversidade foi lançada no passado dia 22 de maio, no primeiro Fórum Nacional para a Diversidade, que decorreu no ISCTE-IUL, em Lisboa.

O júri desta primeira edição foi composto por Sara Ramos, professora auxiliar do Departamento de Recursos Humanos e Comportamento Organizacional do ISCTE-IUL, Miguel Vale de Almeida, antropólogo e antigo deputado da Assembleia da República, Julieta Sanches, presidente da FENACERCI, Mário Parra da Silva, fundador e presidente da Associação Portuguesa de Ética Empresarial, e Fausto Amaro, professor catedrático e vice-reitor de coordenação académica da Universidade Atlântica.

Premiados do Selo da Diversidade

Categoria 1 – Compromisso da gestão de topo e dos outros níveis hierárquicos
Selo – Ericsson – projeto “Formação em Enviesamento Inconsciente”

Categoria 2 – Cultura organizacional
Menções honrosas:
BNP Paribas – projeto “Welcome Disability – a Diverse Approach to Talent Sourcing
EDP – projeto “Tagga o Teu Futuro”
Essilor – projeto “Diversidade e Inclusão – um Valor Essilor”

Categoria 3 – Recrutamento, seleção e práticas de gestão de pessoas
Menção honrosa:
– EDP – projeto “Inspiring Camp”

Categoria 4 – Desenvolvimento Profissional e Progressão na Carreira
Selo – EDP – projeto “Formação Enviesamento Inconsciente – Potenciar a Diversidade e Inclusão

Categoria 5 – Comunicação da Carta e dos seus Princípios
Selo – Fundação AFID Diferença – projeto “Diversid’ARTE”
Menção honrosa:
– Media em Movimento – projeto “Divulgação da Diversidade”

Categoria 6 – Condições de trabalho e acessibilidades
Selo – Câmara Municipal de Lisboa – projeto “Medidas de Conciliação
Menções honrosas:
– EDP – projeto “Parceria com Places4all”
– L’Oréal Portugal – projeto “Share&Care”
– Ericsson – projeto “Condições de Trabalho para Todos”

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close