Ambiente

Segunda árvore mais antiga de Portugal tem 2.450 anos

Uma equipa de investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro descobriu aquela que é a segunda árvore mais antiga de Portugal, com cerca de 2.450 anos de idade.
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro descobriu aquela que é a segunda árvore mais antiga de Portugal, com cerca de 2.450 anos de idade. Trata-se de uma oliveira na localidade alentejana de Monsaraz, tendo sido datada através de um método científico inovador desenvolvido pelos especialistas da academia de Vila Real.
 
Comparativamente com a oliveira de Santa Iria de Azóia, datada há dois anos pela mesma instituição de ensino superior com 2.850 anos de idade, esta nova árvore surge como a segunda mais antiga do país, com um tronco que precisa de sete homens para ser integralmente abraçado. 
 
A técnica de datação aplicada para determinar a idade da árvores foi igualmente desenvolvida na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em parceria com a empresa 'Oliveira Milenares', tendo como mentores os investigadores do departamento de Ciências Florestais e Arquitetura Paisagista José Luís Louzada e Pacheco Marques.
 
A mesma consiste num cálculo, feito através de um modelo matemático, que relaciona a idade com uma característica dendrométrica do tronco, seja o raio, o diâmetro ou o perímetro do tronco.
 
Além disso, recorre-se também ao estudo de outras árvores, com características idênticas, para depois, para, por forma comparativa, se ir preenchendo a parte interior como se fosse um puzzle.
 
A metodologia não provoca a destruição da árvore, uma vez que não obriga ao seu abate, nem provoca lesões que comprometam a sua sanidade, permitindo estimar a idade de qualquer árvore muito idosa. 
 
A oliveira de Monsaraz faz parte de um conjunto de sete que pertence a uma unidade hoteleira local e vai, agora, receber a 'certidão de idade' num ato público que irá decorrer na quarta-feira, em Monsaraz.
 
Já a direção do hotel diz pretender criar um percurso histórico dentro dos sete hectares que rodeiam a unidade e associar a idade das oliveiras a acontecimentos marcantes da história.

Notícia sugerida por Maria Pandina

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close