Ciência

Segredo da juventude pode estar nos genes

Depois de séculos e séculos de busca pela fonte da eterna juventude, eis que os cientistas descobriram que, afinal, esta está mais perto do que se imaginava - mais precisamente nos nossos próprios genes.
Versão para impressão
Depois de séculos e séculos de busca pela fonte da eterna juventude, eis que os cientistas descobriram que, afinal, esta está mais perto do que se imaginava – mais precisamente nos nossos próprios genes.
 
A conclusão é de um grupo de biólogos da Universidade da Califórnia, nos EUA, que está a estudar a existência de uma possível “fonte da juventude molecular” e, no âmbito deste trabalho, conduziu uma investigação com ratinhos de laboratório que se focou no químico SIRT3, responsável pelo nascimento e morte das células.
 
Estudos anteriores já tinham revelado que este gene é ativado em certos animais quando há uma restrição das calorias e é capaz de lhes proporcionar vidas mais longas. Perante estas observações, os cientistas norte-americanos decidiram tentar compreender o que aconteceria se o gene que produz o químico SIRT3 fosse desativado.
 
Em comunicado, os especialistas explicam que, nos ratinhos mais jovens, não se verificaram quaisquer efeitos. Porém, à medida que o tempo foi passando, os efeitos da desativação do gene começaram a fazer-se sentir, fazendo com que os ratinhos mais velhos passassem a ter menos células estaminais e com que as suas células perdessem mais capacidade de se regenerarem.
 
A equipa efetuou, depois, a experiência contrária, aumentando os níveis de SIRT3 nos ratinhos mais velhos, e acabou por descobrir que as células estaminais se rejuvenesceram e que a produção de células sanguíneas aumentou, pelo que a maior quantidade deste químico poderá corresponder a uma vida mais longa.
 
De acordo com a equipa, coordenada por Danica Chen, o organismo reage de uma forma diferente à ausência da substância à medida que vai envelhecendo. Quando é mais jovem, o sistema funciona melhor, mas o envelhecimento acaba por provocar mudanças.
 
“Quando envelhecemos o nosso sistema deixa de funcionar tão bem e acabamos por gerar mais stress oxidante e por não conseguir removê-lo do nosso corpo, pelo que este se vai acumulando”, explica Chen.
 
“Consequentemente, o nosso sistema antioxidante natural não consegue desempenhar bem o seu papel e, como os níveis de SIRT3 também diminuem com a idade, o organismo sente-se assoberbado. É nesse momento que os níveis de SIRT3 devem ser aumentados para lhe devolver as suas capacidades iniciais”, acrescenta ainda.
 
Embora não tenham a certeza de que um aumento da concentração do químico SIRT3 aumente a esperança de vida em humanos, os investigadores, cujo trabalho foi publicado na revista científica Cell Reports. têm esperança de que o estudo do gene que o produz venha a ser, no futuro, útil para tratar doenças relacionadas com o envelhecimento.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close