Sociedade

Santa Maria da Feira alfabetiza idosos

120 idosos integram o programa E-mili@, promovido pelo município de Santa Maria da Feira há um ano. Tendo, em média, 78 anos, aprendem a ler e escrever, a lidar com as novas tecnologias e participam na Oficina de Talentos, um espaço de atividades lúd
Versão para impressão
120 idosos integram o programa E-mili@, promovido pelo município de Santa Maria da Feira há um ano. Tendo, em média, 78 anos, aprendem a ler e escrever, a lidar com as novas tecnologias e participam na Oficina de Talentos, um espaço de atividades lúdicas, integrando-se numa ação de formação constante que eleva a sua auto-estima.

Em 10 pólos espalhados pelo concelho, os 120 alunos do programa E-mili@ são formados de acordo com a sua idade e experiência de vida: “Tendo em conta que estamos a promover educativamente estas pessoas, nas aulas debatem-se temas atuais que elas possam depois discutir com os amigos e com a família”, explica a coordenadora do programa, Cristina Barbosa, à agência Lusa.

As aulas de alfabetização, nas quais participam 25 idosos – uns em situação de pré-reforma; outros já perto dos 90 anos e a viverem em lares -, são as que mais satisfação oferecem aos alunos.

Muitos não frequentaram a escola ou, se o fizeram, esqueceram as noções mais básicas da escrita e da leitura. Mas o processo envolve, também, a aprender a saber utilizar a caneta, dominando todas as condicionantes que afetam a coordenação motora destes alunos da terceira idade.

“A aprendizagem pode ser dificultada por causa da artrite, da doença de Alzheimer ou de um AVC [Acidente Cardiovascular]”, explica Cristina Barbosa. “Até o quadro da sala tem de ser posto de parte durante as aulas, porque visualizar o que escrevem lá é um problema para a maioria destas pessoas e faz-lhes muita confusão”.

Cada passo em frente é, por isso, motivo de grande satisfação. Trata-se de uma importante ferramenta de inclusão social, mas também de auto-estima e realização pessoal. “Agradeço às alminhas dos meus pais que nos puseram a todos na escola, mas vim para cá reciclar os meus conhecimentos, aprender coisas novas e conviver com as pessoas”, refere Maria Adelaide, de 85 anos.

“Acho que nunca é tarde de mais para aprender o que quer que seja. Se as pessoas da nossa própria família não vêem isso e nos dizem que já não vale a pena, não estão a ser boas para nós”, defende, em jeito de conselho.

[Notícia sugerida pela utilizadora Céu Guitart]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close