Inovação e Tecnologia

Samsung adota tecnologia “made in Portugal”

NULL
Versão para impressão
Poderá ser o fim do velho silicío na construção dos ecrãs televisivos. Investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa desenvolveram, em colaboração com a Samsung, uma nova geração de ecrãs que recorre a um novo novo tipo de transistores transparentes e mais baratos.

A novidade consiste na substituição do material semicondutor dos transístores, que é neste momento silício, por um novo material transparente à base de óxidos, como o óxido de zinco, e que oferece várias vantagens.

Este material – que tem já muitas aplicações como por exemplo nos cremes cicatrizantes e nos protetores solares – pode ser produzido a um custo muito mais baixo e à temperatura ambiente, disse esta semana à agência Lusa Elvira Fortunato, que coordena o projeto juntamente com o seu colega Rodrigo Martins.

 “A Samsung está neste momento a apresentar em Los Angeles, numa das maiores conferências da área dos mostradores, dois protótipos, um com LCD (Liquid Crystal Display) e outro com OLED (Organic Light Emitting Diodes), em que os transístores que constituem a matriz de endereçamento são feitos com óxidos, isto é com tecnologia desenvolvida aqui em Portugal”, afirmou.

Este projeto de investigação na área da Electrónica Transparente foi desenvolvido entre o Centro de Investigação de Materiais (CENIMAT) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, integrado no recém-criado Laboratório Associado I3N, Instituto de Nanoestruturas, Nanomodelação e Nanofabricação, e o centro de investigação da multinacional sul-coreana Samsung.

No seguimento deste trabalho foi apresentada uma submissão conjunta de uma patente internacional. “O nosso reconhecimento a nível internacional deve-se a que apresentámos e publicámos em 2004, pela primeira vez, numa das melhores revistas científicas da especialidade, um transístor de filme fino totalmente transparente e produzido à temperatura ambiente”, recordou a investigadora.

HP e outras parcerias internacionais

Para além deste projeto, Elvira Fortunato referiu a existência de outros na mesma área com a HP da Irlanda e Estados Unidos, a FIAT em Itália, o Centro de Telecomunicações e Electrónica da Coreia e a Saint Gobain Recherche de França.

Com este último parceiro, esta especialista em Ciência de materiais anunciou para Junho o início de um projeto na área dos “Vidros do Futuro” que poderá abrir caminho a janelas com circuitos integrados, sensores e dispositivos, “sem que a janela possa funcionar como janela”.
 
Elvira Fortunato sublinhou que esta é uma das áreas prioritárias do Laboratório Associado I3N, de que é atualmente directora, face quer à importância científica, quer tecnológica, que representa na sociedade.
Samsung lança ecrãs com tecnologia “made in Portugal”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close