Diversas

Saborear a liberdade

[Atenção: alertamos que, devido a compromissos profissionais, a crónica de Tânia Ribas passará a ser quinzenal]

Boas!

Quinze dias depois de vos falar de Amor, não poderia deixar passar o 25 de Abril
Versão para impressão
[Atenção: alertamos que, devido a compromissos
profissionais, a crónica de Tânia Ribas passará a
ser quinzenal]


Boas!

Quinze dias depois de vos falar de Amor, não poderia deixar passar o 25 de Abril sem dizer: “obrigada”. Nasci dois anos depois de 1974, por isso nunca soube o significado de viver privada de liberdade (ainda mais sendo mulher – a minha vida não teria sido, com certeza, tão facililtada). A melhor forma de homenagear quem por nós lutou, é viver a liberdade saborando-a. E respeitando-a.

Esta crónica vai em forma de agradecimento: a quem no sistema democrático sempre acreditou, a quem achou que Portugal poderia ser a cores e não a preto e branco, a quem acreditou que muitas vozes juntas fariam mais sentido do que um monólogo de silêncio.
Image and video hosting by TinyPic
Há 36 anos, um grupo de homens e mulheres transformou a palavra na única arma que ainda hoje deveria existir. A palavra falada,  entoada, cantada, interventiva. A palavra, hoje em dia tão banalizada, foi outrora um bem tão precioso quanto proibido – a minha geração nem imagina o que é viver sem liberdade de expressão. A palavra e os passos – consigo sonhar com os passos convictos daquela gente de coragem, com a expressão de certeza no olhar, nas mãos, na alma!

O 25 de Abril acabou com a opressão de um povo, ofereceu a liberdade às gerações de agora, nas quais me incluo. O 25 de Abril baptizou uma Ponte que liga a capital à margem sul, a Liberdade baptizou a principal Avenida de Lisboa, o cravo será para sempre o  símbolo de uma revolução sem sangue. Mas com muito sangue a fervilhar nas veias, com muita coragem, com muito heroísmo.

Obrigada aos heróis de Abril: homens e mulheres cujo sonho me deu a possibilidade de escolher os destinos do meu país (o sufrágio universal feminino em Portugal só aconteceu depois do 25 de Abril); que me dão a possibilidade de exercer os meus direitos e os meus deveres, através da aprovação de uma Constituição que só surge em Abril de 76; que me fazem respeitar os principíos e valores dos direitos e deveres de cada um de nós.

Viver Abril toda a vida, é o que desejo para todos nós!

Um sorriso rasgado para todos e boa semana!

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close