Saúde

“Revolução” portuguesa para tratar cancro da próstata

Uma investigação levada a cabo na Universidade de Coimbra e que conquistou uma bolsa de oito mil euros poderá "revolucionar o tratamento do cancro da próstata", tornando mais eficaz a forma como a doença é combatida atualmente.
Versão para impressão
Uma investigação levada a cabo na Universidade de Coimbra e que conquistou uma bolsa de oito mil euros poderá “revolucionar o tratamento do cancro da próstata”, tornando mais eficaz a forma como a doença é combatida atualmente.
 
Em declarações à Lusa, o urologista Ricardo Leão explica que a bolsa em causa se destina a apoiar o estudo “do efeito das terapêuticas usadas no carcinoma da próstata na subpopulação de células estaminais cancerígenas da próstata”, desenvolvido por uma equipa de especialistas no âmbito do seu doutoramento.
 
Segundo o especialista, apesar de já existirem tratamentos eficientes para as células estaminais cancerígenas da próstata”, continuam a existir casos “em que a doença progride, mesmo quando as terapêuticas demonstram eficácia inicial”.
 
Esta resistência aos tratamentos, que “origina a recorrência e a progressão da doença oncológica”, dever-se-à, “principalmente”, na crença de Ricardo Leão, “às células estaminais cancerígenas”. 

“Novas oportunidades terapêuticas” para tratar doença
 
De acordo com o urologista, a bolsa vai, então, permitir a avaliação do efeito de “determinados tratamentos” sobre aquelas células 'in vitro', de forma a analisar a sua resposta celular e molecular para compreender “os mecanismos de resistência” a terapêuticas específicas que ainda permanecem desconhecidos.
 
Ou seja, na prática, será possível “saber se estamos ou não a erradicar todas as células que constituem o tumor, e, deste modo, perspetivar o efeito das terapêuticas”, esclarece Ricardo Leão. 
 
“Esperamos que os nossos resultados possam sugerir novas oportunidades terapêuticas no tratamento do carcinoma da próstata e mudar o modo como esta doença é tratada hoje em dia”, conclui.
 
A bolsa de investigação conquistada pela equipa do urologia português é atribuída pela Sociedade Portuguesa de Urologia e pela Astellas, privilegiando “a ciência translacional” e os trabalhos que refletem “o uso da investigação laboratorial e básica na resposta direta às necessidades clínicas e práticas terapêuticas”.
 
O cancro da próstata é a doença oncológica que mais afeta o sexo masculino constituindo, entre os homens, a segunda principal causa de morte por cancro.

[Notícia sugerida por Raquel Baêta]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close