Cultura

Revelados vencedores de Cannes

Apichatpong Weerasethakul - ou, simplesmente, "Joe" - é o jovem realizador tailandês que conquistou a Palma de Ouro no Festival de Cannes. Ainda sem ter completado 40 anos e praticamente desconhecido em Portugal, o cineasta asiático deixou o público
Versão para impressão
[Foto: © Brigitte Lacombe]

Apichatpong Weerasethakul – ou, simplesmente, “Joe” – é o jovem realizador tailandês que conquistou a Palma de Ouro no Festival de Cannes. Ainda sem ter completado 40 anos e praticamente desconhecido em Portugal, o cineasta asiático deixou o público e o júri de Cannes rendido ao filme “Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives”.

“Joe” já havia sido premiado em Cannes há seis anos, com a longa-metragem “Tropical Malady” que lhe valeu o Prémio do Júri. No entanto, foi a história de um homem vítima de uma doença renal irrecuperável, retirado numa floresta do nordeste da Tailândia junto da sua família, que conquistou a plena consagração de Weerasethakul.

O Grande Prémio foi também atribuído a um desconhecido do público português, já que, até ao momento, nenhum dos seus filmes estreou nas salas nacionais – o francês Xavier Beauvois fala “Des Hommes et des Dieux”, num retrato da violência e das barbáries cometidas pelo Homem em nome do fanatismo religioso.

Por outro lado, os galardões para Melhor Atriz e Melhor Ator foram arrecadados por nomes já bem conhecidos do público: Juliette Binoche venceu pela sua prestação em “Copie Conforme”, de Abbas Kiarostami; do lado masculino, dois atores ficaram ex-aequo. Javier Bardem distinguiu-se em “Biutiful”, de Alejandro González Iñárritu e Elio Germano em “La Nostra Vita”, de Daniele Luchetti.

As produções francófonas mereceram, naturalmente, outros destaques: “Un Homme qui Crie”, de Mahamat-Saleh Haroun, venceu o Prémio do Júri, enquanto o galardão na categoria de Melhor Realização foi atribuído a Mathieu Amalric. O também francês Serge Avédikian foi distinguido com a Palma de Ouro na secção de curtas-metragens.

“Poetry” foi o filme premiado pelo Melhor Argumento (Lee Chang-dong, que é também o realizador da mesma obra). “Año Bisiesto”, de Michael Rowe venceu a Caméra D’Or.

Finalmente, o Prémio Un Certain Regard distinguiu “Ha Ha Ha”, do sul-coreano Hong Sang-soo, embora “O Estranho Caso de Angélica”, filme de Manoel de Oliveira, tenha merecido uma menção honrosa do mesmo júri.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close