Saúde

Redução de hidratos de carbono atrasa envelhecimento

Cientistas norte-americanos descobriram que uma dieta baseada em baixas calorias e no baixo consumo de hidratos de carbono - conhecida com a "dieta cetogénica"- aumenta a produção de um composto que é capaz de atrasar os efeitos do envelhecimento e p
Versão para impressão
Cientistas norte-americanos descobriram que uma dieta baseada em baixas calorias e no baixo consumo de hidratos de carbono – conhecida com a “dieta cetogénica”- aumenta a produção de um composto que é capaz de atrasar os efeitos do envelhecimento e prevenir várias doenças.

A investigação realizada por uma equipa do centro Gladstone Institutes revelou que esta dieta  atrasa o processo de envelhecimento e pode, também, ajudar os médicos e cientistas a tratar e a prevenir doenças associadas à idade, como as doenças vasculares, a doença de Alzheimer e vários tipos de cancro.

Os investigadores, liderados por Eric Verdin, perceberam que há um composto químico – o chamado β-hydroxybutyrate (βOHB) – que consegue proteger as células da oxidação desempenhando um papel fundamental na prevenção do envelhecimento.

No estudo, publicado na edição de Dezembro do jornal Science, Eric Verdin e a sua equipa explicam que o βOHB, que faz parte dos compostos conhecidos como “corpos cetónicos”, é produzido pelo corpo durante uma dieta prolongada baseada em baixas calorias e poucos hidratos de carbono, ou seja, aquilo a que se chama a “dieta cetogénica.

Os investigadores explicam que, embora os corpos cetónicos como o βOHB possam ser tóxicos quando se apresentam em concentrações demasiado elevadas – como acontece nas pessoas que sofrem de diabetes tipo I – este mesmo composto, se estiver presente em concentrações baixas e controladas, ajuda a proteger as células do “stress oxidativo” que contribui para o envelhecimento do corpo.

“Já se sabia, graças a estudos anteriores, que a restrição calórica atrasa o processo de envelhecimento e prolonga a longevidade mas ainda não tinha sido identificado o mecanismo que conduzia a este efeito”, explica Eric Verdin, que é o diretor  do centro de estudos para o VIH e Envelhecimento de Gladstone e professor da Universidade da Califórnia.

O composto βOHB é a principal fonte de energia do corpo durante o período em que se pratica exercício físico ou jejuns mais prolongados. Nas experiências feitas em ratinhos de laboratório, a equipa monitorizou as alterações bioquímicas dos animais durante uma dieta de baixas calorias, e verificou que esta dieta provocava o aumento dos níveis de βOHB.

Por sua vez, o βOHB inibe a atividade de uma classe de enzimas, as “histone deacetylases” (HDACs) que impedem o funcionamento de dois genes – conhecidos como Foxo3a e Mt2 – responsáveis por ajudar as células a travar a oxidação. Ao bloquear as HDCAs, o composto βOHB ativa, indiretamente, este dois genes “anti envelhecimento”.

Tratamento e prevenção de doenças neurológicas

“Esta descoberta traz um grande progresso na nossa compreensão do mecanismo que está por detrás das HDACs, que já se sabia serem responsáveis pelo envelhecimento e por várias doenças neurológicas”, disse Katerina Akassoglou, uma das investigadoras envolvidas no estudo.

“Estas conclusões podem ser relevantes para uma série de doenças neurológicas – como a doença de Alzheimer, Parkinson e autismo – que afetam milhões de pessoas e para as quais ainda não há tratamentos eficazes”, acrescenta a investigadora.

À medida que a esperança média de vida da população mundial vai aumentando, este tipo de descobertas revelam-se fundamentais para manter os cidadãos sénior ativos e saudáveis.

Em Portugal, a esperança média de vida já chegou aos 80 anos de idade, sendo que as principais causas de morte continuam a ser as doenças cardiovasculares e o cancro, doenças que causam sérios danos emocionais nas famílias e que resultam em elevadas despesas financeiras para tanto para as famílias como para o Sistema Nacional de Saúde.
 
Clique AQUI para aceder ao comunicado de imprensa do Gladstone Institutes e AQUI para consultar o resumo do artigo da Science (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close