Sociedade

Reciclagem de vidro cria 61 salas de estudo

O projeto Reciclar é Dar e Receber permitiu criar e equipar, em dois anos, 61 salas de estudo em instituições particulares de solidariedade social (IPSS) espalhadas por todo o país, melhorando as condições de aprendizagem de mais de 2.800 crianças.
Versão para impressão
O projeto português de responsabilidade social Reciclar é Dar e Receber permitiu criar e equipar, em dois anos, 61 salas de estudo em instituições particulares de solidariedade social (IPSS) espalhadas por todo o país, melhorando as condições de aprendizagem de mais de 2.800 crianças de famílias carenciadas num investimento que rondou os 400 mil euros.
 
A iniciativa, da responsabilidade da Sociedade Ponto Verde (SPV) foi organizada em parceria com a SIC Esperança e a associação Entrajuda e decorreu entre 2011 e 2012. Por cada tonelada de vidro colocada no ecoponto nos últimos dois anos, a SPV entregou um euro para a criação ou melhoria destes espaços de estudo.
 
Só o ano passado foi possível criar 31 novas salas de estudo em benefício de perto de 1.700 crianças num investimento de cerca de 185 mil euros. Para este resultado foi também importante a participação dos 15 mil novos fãs da página de Facebook da SPV, cuja adesão possibilitou a criação de duas salas de estudo extra.
 
Em comunicado, a SPV explica que o apoio à criação das novas salas de estudo representou a entrega de diversos materiais, entre os quais ecopontos, computadores, impressoras, mobiliário e material escolar.

Em todos os casos, salienta a organização, privilegiou-se, sempre que possível, a utilização de materiais reciclados. Paralelamente, diversos espaços foram intervencionados para melhoria das suas estruturas físicas.
 

“Agradecemos o envolvimento da população portuguesa nesta causa que junta a preservação do ambiente e a responsabilidade social”, afirma Luís Veiga Martins, diretor-geral da SPV, que salienta que o contributo dos cidadãos “através da separação das embalagens de vidro usadas foi fundamental para melhorar os locais de estudo de mais de 2.800 crianças e jovens”.
 
O projeto contou com a colaboração da Entrajuda e da SIC Esperança, a quem coube a seleção e o acompanhamento das IPSS cujas salas de estudo foram alvo de intervenção. 
 
Para a presidente da Entrajuda, Isabel Jonet, “este projeto é um exemplo de como as organizações podem desempenhar um papel decisivo na sociedade”. “Através desta iniciativa foi possível contribuir para prevenir casos de insucesso escolar”, considerou a responsável.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close