Sociedade

Re-Food: Apoio a famílias carenciadas com novos núcleos

Na próxima primavera, o projeto Re-Food vai inaugurar três novos núcleos em Lisboa e outro na Amadora, na zona de Alfragide. A aposta visa alargar a distribuição de comida recolhida em restaurantes por famílias carenciadas, sendo que, no Porto, a ini
Versão para impressão
Na próxima primavera, o projeto Re-Food vai inaugurar três novos núcleos em Lisboa e outro na Amadora, na zona de Alfragide. A aposta visa alargar a distribuição de comida recolhida em restaurantes por famílias carenciadas, sendo que, no Porto, a iniciativa está prevista chegar até ao Outono deste ano. 
 
De acordo com o mentor do projeto, Hunter Halder, há novos núcleos Re-Food em “fase de implementação” nas zonas de São Sebastião da Pedreira, Olivais e Carnide. A estes junta-se o primeiro centrofora da capital, a abrir portas em Alfragide, no concelho da Amadora.
 
O 'Re-Food' arrancou em Março de 2011 pelas mãos do norte-americano que vive em Portugal há já mais de vinte anos e decidiu investir, sozinho, no primeiro núcleo do projeto na freguesia de Nossa Senhora de Fátima. Dois anos depois, em 2013, o projeto estendeu-se a Telheiras, à Estrela e ao Lumiar. 
 
Agora com novas perspetivas de intervenção, o Re-Food já tem também em formação equipas para os núcleos de São Domingos de Benfica e da Misericórdia. No norte do país, as atenções concentram-se no Porto, onde o projeto deve chegar em Setembro de 2014. No próximo dia 12 de Março, aliás, haverá uma reunião “aberta a toda a comunidade”, na Foz do Douro, para os interessados em colaborar com o Re-Food. 
 
Para além destas apostas, Halder tem equipas empenhadas em arrancar com o projeto no Parque das Nações, em Belém, São Francisco Xavier e Alvalade. Em todos estes sítios falta, no entanto, espaço para patentear a ação. 
 
Até agora, os espaços onde funcionam os núcleos Re-Food foram cedidos por várias instituições, incluindo a Câmara Municipal de Lisboa, juntas de freguesia, congregações religiosas e associações. 
 
Além destes, há outros núcleos a serem pensados e “em fase embrionária”, como, por exemplo, em Almada, na Covilhã, em Almancil (Loulé), Oeiras e Cascais. A reforçar o “crescimento exponencial” do projeto surge a necessidade de um espaço para montar um escritório, para a equipa do Re-Food, “de preferência no centro da cidade”. 
 
“A ideia é ser um espaço 100% voluntário”, diz à Lusa. “E mais do que nunca, vamos precisar de quem faça trabalho administrativo”.  Segundo o responsável, atualmente o projeto soma cerca de 680 beneficiários, “ajudados diariamente”, e 745 voluntários que “dedicam ao Re-Food cerca de duas horas, uma vez por semana”. 
 
Além dos 300 restaurantes aderentes, o projeto conta com apoios esporádicos como é o caso do Salão Internacional do Setor Alimentar e Bebidas (SISAB), onde os voluntários do Re-Food foram buscar 200 quilogramas de comida esta quinta-feira.

Saiba mais sobre o projeto Re-Food AQUI.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close