Saúde

Quimioterapia: “Escudo” pode evitar efeitos colaterais

Uma investigação norte-americana mostrou que pode ser possível usar células estaminais como "escudo" para proteger os doentes com cancro dos efeitos secundários agressivos da quimioterapia.
Versão para impressão
Uma investigação norte-americana mostrou que pode ser possível usar células estaminais como “escudo” para proteger os doentes com cancro dos efeitos secundários agressivos da quimioterapia. 
 
O tratamento em questão é capaz de destruir as células cancerígenas, que se dividem com rapidez, mas muitas vezes afeta também outros tecidos saudáveis, como a medula óssea ou as células sanguíneas, aumentando o risco de infeção e provocando problemas como falta de ar ou cansaço.
 
Agora, os cientistas do Fred Hutchinson Cancer Research Center, nos EUA, trazem aos pacientes uma nova esperança. A equipa responsável pelo estudo recente, publicado na revista científica Science Translational Medicine, retirou e modificou células estaminais da medula óssea de pacientes com tumores cerebrais, dotando-as de um gene resistente à quimioterapia, vltando depois a injetá-las no sangue dos voluntários.
 
“Este tratamento é idêntico a disparar contra as células cancerígenas e as células da medula óssea, mas dando a estas últimas um escudo protetor, enquanto se deixa o tumor desprotegido”, explicou a investigadora Jennifer Adair, citada pela BBC.
 
O principal autor do estudo, Hans-Peter Kiem, disse estar otimista com os resultados dos testes feitos com três pacientes, que otiveram resultados muito positivos.
 
“Concluímos que os pacientes foram capazes de tolerar melhor a quimioterapia, sem efeitos negativos, depois da transplantação das células estaminais modificadas do que outros pacientes que, em estudos anteriores, receberam o mesmo tipo de quimioterapia, mas sem receber as células estaminais modificadas”, revelou o especialista.
 
A equipa adiantou que os três pacientes submetidos à experiência viveram mais do que a média de 12 meses de sobrevida prevista para o tipo terminal de cancro em questão e um deles ainda estava vivo 34 meses após o tratamento. 

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close