i9magazine

Proteção dos dados

Versão para impressão

A cada vez maior exigência em relação ao acesso a serviços personalizados e diferenciadores têm como ponto de partida o tratamento dos dados dos consumidores. Em especial, nas compras online, mas também no comércio tradicional. No entanto, 70% dos portugueses temem pela forma como os seus dados são usados, em especial se não for em seu benefício.

No próximo mês entra em vigor a nova Lei sobre Proteção de Dados, que promete revolucionar todas as ações de marketing e promoções que o comércio fez junto de atuais e potenciais clientes. Os portugueses parecem estar atentos e preocupados com esta realidade, com 70% dos inquiridos nacionais no estudo do Observador Cetelem a afirmarem que temem que os seus dados não sejam usados em seu benefício. Apenas polacos (77%) búlgaros (74%) e franceses (71%) apresentam valores superiores aos nacionais, enquanto a percentagem de italianos é similar à portuguesa.

A proteção dos dados é um assunto premente e que tem merecido crescente debate, também resultado da nova legislação que entra em vigor no final do mês. Naturalmente, os consumidores europeus, e em particular os portugueses, mostram-se atentos e preocupados. Cabe às várias entidades e marcas terem uma atuação responsável e transparente, de forma a serem merecedoras da confiança dos consumidores.

Outro aspeto que preocupa os inquiridos do Velho Continente quanto às compras em lojas é o roubo de identidade, em especial na Internet. Mais uma vez, os portugueses assumem-se entre os mais receosos, pois 73% apontam nesse sentido. Novamente, os consumidores búlgaros, 78%, e polacos, 77%, estão ainda mais preocupados com esta possibilidade.

Mas existem mais motivos de preocupação junto dos consumidores europeus aquando uma compra.

Os portugueses acham que as lojas começam a estar cada vez mais padronizadas, referido por 77%, além de se assistir à diminuição do número de lojas de locais. Quanto à padronização das lojas, os búlgaros são aqueles que mais preocupados se mostram, 84%, enquanto os belgas estão no extremo oposto, 69%.

A menor escolha ao dispor dos consumidores é referida por 72% dos portugueses que responderam ao estudo do Observador Cetelem Consumo 2018 como sendo outra das suas preocupações. Mais uma vez, os búlgaros, com 84%, mostram-se os mais pessimistas, e os belgas posicionam-se como os menos preocupados, com 64%. Por fim, 70% dos nossos concidadãos receiam que no futuro existam menos pessoas no atendimento nas lojas.

O conteúdo Proteção dos dados aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close