Sociedade

Proposta para o Tua inclui barco, funicular e comboio

O plano multimodal proposto para o Tua junta comboio, funicular e barco e vai ?permitir ressuscitar? o percurso da antinha linha ferroviária, revelou esta sexta-feira o coordenador do estudo de mobilidade da região.
Versão para impressão
O plano multimodal proposto para o Tua junta comboio, funicular e barco e vai “permitir ressuscitar” o percurso da antinha linha ferroviária, revelou esta sexta-feira o coordenador do estudo de mobilidade da região.
 
A construção do empreendimento Hidroelétrico da Foz Tua implica a submersão de parte da linha ferroviária do Tua, construída há 130 anos.

Em consequência disso, foi elaborado um plano de mobilidade, que está a ser gerido pela Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua (ADRVT), e vai implicar um investimento de 40 milhões de euros.

 
À EDP caberá um investimento de 10 milhões de euros, enquanto os 30 milhões de euros serão provenientes de fundos comunitários.
 
Para o Tua propõe-se um sistema multimodal, que começará pelo transporte ferroviário até à barragem, com subida do paredão através de um elevador panorâmico (funicular) e depois viagem de barco até à Brunheda, onde se entrará novamente no comboio até Mirandela. A linha será reabilitada entre a Brunheda e o Cachão.
 
“Isso é um ressuscitar de uma linha que, neste momento, está parada”, salientou esta sexta-feira Eduardo Beira, que coordena o estudo histórico da linha ferroviária do Tua e do vale do Tua com ajuda dos investigadores da Universidade do Minho.
 
Para o investigador, o plano que foi apresentado publicamente esta sexta-feira, sobretudo dentro de um contexto turístico, “pode ser uma grande oportunidade para a região”.
 
“Um renascimento em moldes um pouco diferentes, mas o possível numa linha com 130 anos e construída com características que tornam muito difícil a sua reabilitação como linha de transporte interlocal”, frisou o responsável citado pela Lusa.

Trajeto pode atrair turistas
 
O especialista falava à margem da conferência internacional “Railroads in Historical Context” que reúne, em Alijó, 40 investigadores internacionais, operadores turísticos do Douro e responsáveis pela EDP.
 
O operador Ricardo Costa, que trabalha na zona do Pinhão (Douro), afirmou que a sua empresa está interessada neste novo produto turístico proposto para o Tua, que diz que pode potenciar a vinda de mais turistas ao território.
 
“É uma área nova, é uma captação de negócio novo que tem vantagens e riscos enormes, há aqui aspetos delicados a ter em consideração uma vez que vai haver interligação entre barco, funicular e comboio. Temos que articular tudo isto”, salientou.
 
Também a operadora Matilde Costa considerou que este produto pode ser “uma mais-valia” que se pode articular com o trabalho já desenvolvido pela sua empresa no Douro.
 
David Salvador trabalha na parte do Douro Internacional e considerou também que se trata de um “projeto com muito futuro e hipóteses”.
 
A barragem de Foz Tua representa um investimento de 370 milhões de euros e deverá entrar em funcionamento em setembro de 2016. A construção deste empreendimento tem sido muito criticada por ambientalistas e defensores da linha do Tua.

Parque Natural do Tua nasceu em Setembro

Apesar desta construção, no passado dia 24 de Setembro foi oficialmente criado o Parque Natural Regional do Vale do Tua (PNRVT), por deliberação das Associações de Municípios da Terra Quente Transmontana e do Vale do Douro Norte.
 
O acordo para criação do parque garante que cerca de três quartos da dotação da EDP para o Fundo da Biodiversidade no âmbito do Aproveitamento Hidroeléctrico de Foz Tua seja canalizado para a região e investido em desenvolvimento regional.
 
O plano de investimentos prevê numa primeira fase, uma série de investimentos para um período de 12 anos, sendo expectável que ao fim de 3 anos, o Parque esteja a funcionar em pleno. Os investimentos centram-se em duas vertentes, conservação da natureza e promoção turística.

Das doze acções prioritárias, destacam-se a criação de rotas temáticas, a certificação de produtos da região, através da criação de uma marca com vista a distinguir o potencial gastronómico, implementação de medidas para redução do risco de incêndio e a elaboração de guias sobre o Património Natural do PNRVT, onde se faça a divulgação dos principais valores naturais e se promova a sensibilização para a sua conservação.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close