Ambiente

Projeto português quer preservar anfíbios

O Centro de Investigação e Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), da Universidade do Porto, está a desenvolver um projeto de recuperação de habitats dos anfíbios, para que a espécie seja protegida e possa, assim, cumprir uma importante função:
Versão para impressão
[Foto: © Luis Fernández García]

O Centro de Investigação e Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), da Universidade do Porto, está a desenvolver um projeto de recuperação de habitats dos anfíbios, para que a espécie seja protegida e possa, assim, cumprir uma importante função: controlar a população de insetos que possam ser vetores de doenças.

Sapos e rãs são espécies cada vez mais ameaçadas devido a atividades como a construção civil e a agricultura, que se apropriam dos seus habitats. Por isso, a equipa do CIBIO tem vindo a identificar zonas degradadas importantes para estes animais que necessitam ser recuperadas.

“Estamos a identificar áreas onde possamos construir novos habitats para substituir aqueles que foram destruídos e identificar outros que possam ser preservados a médio e longo prazo, acima de tudo charcos ou lagoas, pequenas massas de água parada, importantes não só para anfíbios, mas também para outras espécies [répteis, aves aquáticas e plantas]”, explicou o coordenador do projeto, José Teixeira, à agência Lusa.

Além de terem “uma grande importância nos ecossistemas porque fazem parte da dieta alimentar de muitas espécies”, os anfíbios são também um importante agente de controlo de insetos e potenciais pragas.

“Ao serem predadores importantes de invertebrados, nomeadamente de insectos, são para o homem auxiliares da agricultura e acabam por controlar vários insectos que são vectores de doença, como os mosquitos”, referiu José Teixeira.

Tendo em conta que existem em Portugal duas espécies de anfíbios ameaçadas, a salamandra-lusitânica e o tritão, o projeto do CIBIO visa estabelecer acordos com diversos proprietários e a atuar em algumas lagoas do Mindelo, região que acolhe grande parte das espécies de anfíbios conhecidas no nosso país.

Este projeto prolonga-se por dois anos e depois será realizado um trabalho de monitorização para seguir a evolução dos locais com intervenção.

A iniciativa, com um orçamento entre 130 mil e 140 mil euros, tem alguns parceiros, como o Oceanário de Lisboa ou a Agência Portuguesa do Ambiente.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close