Ambiente Em Destaque

Produção renovável representou 42% do consumo em 2017

Evitada a importação de combustíveis fósseis avaliada em 770 M€, diminuindo o valor das licenças de emissões de CO2 em 49 M€
Versão para impressão

 

Na sua mais recente publicação, com o título “2017 – Eletricidade Renovável em Revista” – A APREN faz um balanço do setor em 2017 e apela à aposta consistente nas energias endógenas e renováveis como forma de aumentar a autonomia energética do país. No último ano, a dependência energética portuguesa atingiu um dos valores mais elevados dos últimos anos ascendendo aos 79%, um cenário que se devem à seca severa que se fez sentir e que levou a um aumento na importação de combustíveis fósseis.

As centrais renováveis geraram 23.5TWh, o que equivale a 42% total do mix de produção elétrica de Portugal (produção = consumo + exportação elétrica). A eletricidade excedente teve origem nas fontes fósseis, 32,7 TWh, o que equivale a 58% de produção.

O ano de 2017 fica marcado por um saldo exportador de 2,7 GWh, o segundo maior valor de sempre. Este valor apenas foi superado pelo saldo exportador de 2016 que foi de 5,1 TWh. Com o aumento da produção de eletricidade de origem fóssil, 2017 é responsável por um acréscimo de 4 milhões de toneladas de dióxido de carbono, em relação a 2016. Mesmo assim, neste ano foi evitada a importação de combustíveis fósseis avaliada em 770 M€, diminuindo o valor das licenças de emissões de CO2 em 49 M€.

A produção a partir de fontes de energia renovável fez baixar o preço do mercado grossista da eletricidade. E, neste sentido, estima-se que a produção elétrica proveniente das centrais eólicas, solares fotovoltaicas e pequenas hídricas tenham tido benefícios brutos de 660M€ na economia nacional por terem reduzido o preço do mercado grossista da eletricidade em cerca de 18,2 €/MWh.

De acordo com a associação que representa as empresas renováveis, entre 2000 e 2017, a potência instalada nos centros eletroprodutores renováveis aumen­tou 8 % e a redução do preço de eletricidade induzido pelas renováveis variáveis – “Efeito na Ordem de Mérito” – traduziu-se em termos acumulados entre 2010 e 2017, num ganho económico que ultrapassa o valor de 6 610 M€.

Inovações de 2017

Destacar que em 2017 entrou em funcionamento a central hidroelétrica de Foz Tua (263 MW), a central geotérmica de Pico Alto (4,5 MW) e centrais solares fotovoltaicas de larga escala (14 MW), para além de várias unidades PV abrangidas pelo regime de autoconsumo (UPAC e UPP).

Com o objetivo de atenuar as alterações climáticas, e cumprir as metas da União Europeia, Portugal terá, até 2020, de atingir uma taxa de penetração das renováveis no consumo elé­trico de 60 %.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close