Fitness & Bem-estar

Presépio da Cavalinho é o maior do mundo em movimento

A Guinness World Records acaba de atribuir o recorde de "maior presépio do mundo em movimento" à criação anual da marca Cavalinho.
Versão para impressão
A Guinness World Records acaba de atribuir o recorde de “maior presépio do mundo em movimento” à criação anual da marca portuguesa Cavalinho, com sede em Santa Maria da Feira.
 
Em Novembro, um júri internacional da Guiness virá a Portugal oficializar e certificar a criação que reune, em cerca de 2000 metros quadrados, mais de 7000 peças de várias dimensões, a maioria em movimento.
 
Os cenários em causa começam a ser preparados em Março, logo que termina a edição anterior da iniciativa e combinam cenas emblemáticas da fé cristã com artesanato tradicional e elementos kitsch. Todo o recinto é de entrada livre e, nos últimos dois anos, tem vindo a receber entre 100.000 a 200.000 visitantes de várias regiões do país.
 
“Procuramos ter um presépio diferente em cada ano e aumentá-lo sempre um bocadinho”, revela Manuel Jacinto Azevedo, diretor da empresa de malas, calçado e marroquinaria de S. Paio de Oleiros, citado pela agência Lusa.

“Mas, este ano, a prioridade é reforçar a componente religiosa e dar ainda mais atenção à escolha das peças e aos mecanismos de movimento, para garantir que não nos falha nada quando cá aparecer a equipa do Guiness”, acrescenta o responsável.
 

O requisito que vai exigir mais cuidado antes da apresentação ao júri será a dimensão das peças, já que, para efeitos de recorde, “só serão consideradas todas as que estiverem à mesma escala”.
 
Os preparativos já começaram, mais uma vez com recurso ao trabalho de funcionários da fábrica e muitos voluntários, mas, por enquanto, Manuel Jacinto Azevedo prefere não revelar quantas peças serão necessárias para a Cavalinho ficar no topo da lista mundial de presépios, para “não dar ideias a ninguém”.
 
Para Manuel Jacinto Azevedo, o selo de certificação do Guinness servirá sobretudo dois propósitos: por um lado, “irá calar algumas pessoas que só vão acreditar no que se lhes diz quando virem o selo do Guinness” e, por outro, dará à equipa de Oleiros “um bocadinho mais de coragem para continuar com o projeto” – que começou devido a um gosto pessoal do empresário e envolve anualmente um orçamento confidencial de que “é melhor nem falar”.

Notícia sugerida por Patrícia Guedes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close