Sociedade

Prémio de empreendedorismo para duas imigrantes

O Prémio Empreendedor Imigrante 2010 da Plataforma Imigração distinguiu na passada semana duas imigrantes: Ana Pérez, natural da venezuelana a viver em Portugal há 12 anos que fundou um coro gregoriano em Penafiel, e Leila Sadeghi, iraniana a viver e
Versão para impressão
O Prémio Empreendedor Imigrante 2010 da Plataforma Imigração distinguiu na passada semana duas imigrantes: Ana Pérez, natural da venezuelana a viver em Portugal há 12 anos que fundou um coro gregoriano em Penafiel, e Leila Sadeghi, iraniana a viver em Portugal há cinco anos, que abriu um Instituto de beleza onde aplica técnicas orientais para tornar as mulheres mais bonitas.

As duas mulheres partilham o prémio que pretende distinguir o “imigrante que tenha revelado maior empreendedorismo e responsabilidade social, e que seja simultaneamente um exemplo de integração proativa e inovadora”, conforme anuncia a Plataforma em comunicado.

Este foi o caso de Leila Sadeghi, licenciada em Literatura Inglesa no Irão. Ao mesmo tempo fez vários cursos de maquilhagem, caraterização e face styling, áreas que a apaixonam e que a levaram a abrir o seu primeiro instituto de beleza em Coimbra onde pôde desenvolver essas técnicas inexistentes ou muito raras no mercado português.

Hoje tem um segundo centro e pretende lançar uma loja de produtos de beleza orientais online. Nos tempos livres, oferece os seus serviços a idosas do Centro de Dia de Penacova, e oferece 10% dos seus rendimentos a instituições de solidariedade, como a UNICEF ou a SOL.

“Fiquei muito contente com este prémio, ainda para mais num país estrangeiro. É um sinal que dão valor ao nosso trabalho e valorizam o conhecimento e o trabalho de cidadãos estrangeiros”, disse à agência Lusa a premiada que veio para Portugal acompanhar o marido que se doutorou recentemente em engenharia robótica na Universidade de Coimbra.

Ana Pérez: aliar a música à solidariedade

Ana Pérez, licenciada em Direcção Coral Infantil e em Semiologia e Paleografia do Canto Gregoriano, fundou o Coro Gregoriano de Penafiel e o Coro da Casa do Gaiato de Paço de Sousa, que dirigiu durante três anos em regime de voluntariado.

Tem desenvolvido diversos projetos que cruzam a música com a solidariedade social como o “Música a Brincar” e “Porto de Orfeu”, uma iniciativa levada a cabo em duas instituições para pessoas portadoras de deficiência, em Paços de Ferreira e Penafiel.

Foi mentora de várias acções para a generalização do ensino da Música no Porto. É ainda coordenadora do projeto da Casa da Música “A Orquestra vai à Escola” e criou a empresa Plano Utópico, para gestão e consolidação de projetos educativos na área da música.

A Plataforma para a Imigração distinguiu ainda com o Prémio de Melhores Práticas Autárquicas 2010 a Câmara Municipal de Valongo pelo projeto “Valorizar a Diferença”.

Visite aqui o site da plataforma.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close