Ciência

Premiado sistema luso que deteta doença do pinheiro

Um dispositivo português que permite detetar a doença do nemátode do pinheiro muito antes de os sintomas se revelarem valeu a uma equipa multidisciplinar de Coimbra a conquista de um prestigiado prémio em Barcelona.
Versão para impressão
Um dispositivo português que permite detetar a doença do nemátode do pinheiro (conhecida também por murchidão do pinheiro) muito antes de os sintomas se revelarem valeu a uma equipa de Coimbra a conquista de um prestigiado prémio na Conferência Biodevices 2013, que decorreu recentemente em Barcelona. 
 
Durante o evento reuniram-se naquela cidade espanhola cientistas e profissionais de todo o mundo e das mais diversas áreas do conhecimento e a tecnologia, desenvolvida pelos investigadores da Universidade de Coimbra (UC) e da Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC) e já protegida por patente provisória, foi distinguida com o galardão de “Best Student Paper Award”.
 
Em comunicado enviado ao Boas Notícias, Elisabeth Borges, uma das criadoras do dispositivo que deteta a doença do pinheiro, explicou que este é um método “muito simples” que “permite aceder rapidamente à assinatura elétrica de um material biológico”, ou seja, “obter informação acerca da fisiologia do material.
 
O dispositivo é composto por dois elétrodos, colocados no tronco da árvore a cerca de 30 centímetros do solo – um dos quais injeta um sinal de corrente ou tensão, enquanto o outro recolhe o sinal gerado por essa estimulação – e por um sistema de aquisição de dados, desenvolvido pela equipa, que permite converter estes sinais analógicos em sinais digitais para posterior análise.
 
Através da análise da resposta a esta “provocação” injetada pelo elétrodo em múltiplas frequências, os especialistas conseguem obter a assinatura elétrica do material, tendo depois de se dedicar à interpretação dos sinais obtidos, um processo de elevada complexidade já que a resposta fisiológica tem muitas variantes.
 
Segundo a aluna de doutoramento em Engenharia Biomédica da Universidade de Coimbra, o sistema é “capaz de identificar precocemente se um tecido está saudável ou danificado, o nível de dano, etc.”

Sistema poderá ajudar a evitar abate das árvores

 
No caso do nemátode do pinheiro, esclareceu a investigadora, este dispositivo assume particular relevância porque pode invalidar o avanço da doença e consequente abate das árvores, que, atualmente, é a única “solução” disponível de acordo com a lei quando a patologia é detetada.
 
De acordo com a cientista, a grande mais-valia da tecnologia portuguesa é o facto de “ser minimamente invasiva, rápida e mais vantajosa financeiramente em comparação com as técnicas laboratoriais”.
 
“Com este dispositivo”, que recorre a um método designado cientificamente por espectroscopia de impedância elétrica para obter resultados e que “ainda terá de ser otimizado para poder entrar no mercado, é possível conseguir um prognóstico quase instantâneo”, conclui Elisabeth Borges. 
 
Ao longo da investigação, iniciada em 2010, foram utilizados pinheiros jovens. A equipa induziu a doença nas árvores, recolheu e processou as respostas fisiológicas.

Agora, os investigadores vão também explorar a utilização desta tecnologia na análise de sementes de Jatropha – uma espécie de planta existente em África, na América do Norte e nas Caraíbas – para a produção de biodiesel e em alimentos para a avaliação das condições de segurança alimentar.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close