Mundo

Prematuro sobrevive graças ao instinto maternal

Depois de dar à luz gémeos prematuros, a australiana Kate Ogg recebeu a notícia de que um dos seus bebés não respirava e foi dado como morto. Incapaz de aceitar a notícia, seguiu o seu instinto e abraçou o bebé junto ao peito. Duas horas depois acont
Versão para impressão
Depois de dar à luz gémeos prematuros, a australiana Kate Ogg recebeu a notícia de que um dos seus bebés não respirava e foi dado como morto. Incapaz de aceitar a notícia, seguiu o seu instinto e abraçou o bebé junto ao peito. Duas horas depois aconteceu o impensável com Jamie a começar a respirar e a voltar à vida.

Acompanhada pelo marido e pela mãe no Hospital de Sydney, Austrália, Ogg não conseguia acreditar quando sentiu o seu bebé prematuro, nascido apenas com 27 semanas de gestação, estava a respirar.

“Ocasionalmente ele buscava respirar, mas os médicos diziam que era apenas um reflexo. Quando começou a fazê-lo mais intensamente abriu os olhos e moveu a cabeça”, contou Ogg ao programa Today Tonight da televisão australiana. “Dei-lhe um pouco de leite meu com o dedo e ele começou a respirar normal. O médico só abanava a cabeça e dizia: ´não acredito, não acredito`, relembra a mãe.

Benefícios do “método canguru”

Kate Ogg e o marido decidiram tornar pública a sua história com o intuito de divulgar a importância do contato direto com a pele nos recém-nascidos. Defendem que se contrarie a norma de levar imediatamente os prematuros para os cuidados intensivos e se segure os bebés perto do peito logo quando nascem, de forma a interagir com ele e a servir de incubadora ajudando a mantê-lo quente e estimulado.

O “método canguru”, como é conhecido, traz benefícios aos bebés de todas as idades, em especial aos menos saudáveis. Menos infeções, doenças menos severas, melhor dormir e menos risco de hipotermia são outras das vantagens do contato direto pele a pele entre pais e filhos.

Neste caso, o contato com o peito da mãe terá ajudado o bebé a reaprender a respirar e a normalizar o seu ritmo cardíaco enquanto tanto a mãe como o pai falavam com ele. Agora com 5 meses, Jamie e a irmã gémea estão em casa, felizes e saudáveis conforme adianta o jornal Daily Mail.

 “Ela agiu de forma instintiva. Se não o tivesse feito talvez Jamie não estivesse connosco”, relembra o marido de Kate Ogg.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close