Negócios e Empreendorismo

Portugueses fiéis às marcas nacionais

O cidadão português mantém-se fiel aos produtos nacionais. A conclusão resulta do estudo "Marcas de Confiança 2011", da Seleções do Reader´s Digest, realizado em 16 países europeus, que avalia os níveis de confiança dos consumidores nas marcas.
Versão para impressão
O cidadão português mantém-se fiel aos produtos nacionais. A conclusão resulta do estudo “Marcas de Confiança 2011”, da Seleções do Reader´s Digest, realizado em 16 países europeus, que avalia os níveis de confiança dos consumidores nas marcas.

O estudo, que avalia os níveis de confiança das marcas em 16 países europeus e em 40 categorias, revela que as marcas nacionais continuam no topo das escolhas dos portugueses na categoria que disputam.

É o caso do óleo Fula (79% na categoria Óleos Alimentares), da Delta (66% nos Cafés), da Sagres (58% nas Cervejas), da Galp (56% nas Gasolineiras), da TMN (49% em Redes de Telemóvel), da Worten (43% em Cadeia/Loja de Distribuição), do Continente (41% em Hiper/Supermercados), da Caixa Geral de Depósitos (37% na Banca), a Abreu (65% na categoria Agência de Viagens), a Luso (63% em Águas Engarrafadas), o Sapo (31% em Empresas de Serviço Internet) e a Fidelidade Mundial (21% em Companhias de Seguros).

A Galp, apesar das subidas de preço registadas nos combustíveis, aumentou mesmo nos níveis de confiança relativamente ao ano passado em 7%. Também a Worten sobe 13%, Fula 3%, Continente 2% e a CGD 1%. Na categoria de Empresas de Serviço Público, a liderança vai para os CTT (51%), enquanto na categoria Estação de Rádio, introduzida este ano, a marca que merece mais confiança dos portugueses é a RFM (27%).

As conclusões do estudo Marcas de Confiança não revela grandes alterações em relação à edição do ano passado, revelando apenas três alterações nos vencedores. Na categoria “Analgésicos”, o Ben-U-Ron cede a posição à Aspirina enquanto na “Cuidados com o Rosto”, a Nívea perde para a L´Óreal. Em “Seguros de Saúde”, o vencedor é a Medis que destronou a Multicare.

Os portugueses caracterizam as marcas nas quais mais confiam por serem fáceis de usar (61%), amigas do ambiente (54%) e práticas (54%).

Nesta edição foram incluídas três novas categorias: “Estação de Rádio”, “Produtos de Higiene Oral” e “Produtos Lácteos”. Ficam de fora, no entanto, as preferências da atividade do setor primário, como os produtos agrícolas [vegetais, fruta], a carne e também a pesca.

Políticos: os menos confiáveis

O estudo da Seleções do Reader´s Digest avalia também as profissões mais confiáveis, num ranking que dá a liderança a pilotos de aviação e bombeiros, ambos com 96% de confiança.

Já os políticos, aparecem no lado oposto da balança: 96% dos inquiridos consideram os políticos como a profissão menos confiável. No fim da tabela estão também os vendedores de automóveis e os jogadores de futebol, com 90% de desconfiança. 

As instituições nas quais os portugueses mais acreditam são a televisão e rádio (70%) e o casamento (69%). Abaixo de 50% de confiança estão a função pública (39%), a publicidade (23%), o sistema judicial (19%) e o Governo (15%).

O estudo Marcas de Confiança avaliou 40 categorias de produtos, junto de mil assinantes da revista Selecções do Reader´s Digest, através de um questionário escrito.

Clique AQUI para aceder ao estudo da Reader´s Digest relativo às principais marcas de confiança.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close