Saúde

Portugueses extraem pedras renais em dois minutos

Cientistas portugueses criaram uma tecnologia para extrair pedras nos rins em apenas dois minutos e simplificar o procedimento habitualmente utilizado para a sua remoção, que, por norma, demora, no mínimo, duas horas.
Versão para impressão
Cientistas portugueses criaram uma tecnologia para extrair pedras nos rins em apenas dois minutos e simplificar o procedimento habitualmente utilizado para a sua remoção, que demora, no mínimo, duas horas. O método português permite, também, a realização da cirurgia sem uso de radiação.
 
A tecnologia foi desenvolvida por uma equipa liderada pela Universidade do Minho e em parceria com o Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA) e utiliza um campo magnético para navegar com segurança uma agulha para a punção do rim. Além de acelerar o processo, esta solução facilita ainda a tarefa aos médicos menos experientes e aumenta a segurança dos procedimentos.
 
“Extrair pedras nos rins demora, atualmente, duas horas, e depende muito quer da experiência do cirurgião, quer do uso de radioscopia, que pode ter consequências sérias de radiação no doente e no cirurgião”, explica, em comunicado enviado ao Boas Notícias, Estêvão Lima, professor da Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho.
 
O docente, que é também cientista do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) e diretor do serviço de Urologia do Hospital de Braga, revela que, normalmente, o processo é feito através de uma 'picada' com “uma agulha de 20 centímetros na zona lombar do paciente, abrindo caminho aos instrumentos cirúrgicos para a remoção”.
 
“Mas a técnica que agora criámos é mais rápida, menos invasiva e permite ver no ecrã do computador a rota que a agulha deve seguir”, esclarece o investigador, que adianta que, após os testes realizados em animais no ICVS, a equipa espera avançar para ensaios em humanos já a partir do próximo ano.
 
Neste momento, os cientistas estão a aperfeiçoar o sistema com vista a obter um certificado para futuros testes em pessoas. Caso estes venham a ser bem-sucedidos, espera-se que a tecnologia seja patenteada e chegue às salas de operações portuguesas a partir de 2016. 
 
O trabalho de pesquisa desenvolvido pela Universidade do Minho e pelo IPCA que levou à criação deste novo método tem sido amplamente reconhecido e venceu o 1.º Prémio no Simpósio da Associação Portuguesa de Urologia, foi eleito para as melhores comunicações do Congresso Europeu de Urologia 2014 e já foi publicado em revistas científicas internacionais. 
 
As pedras nos rins, que afetam uma em cada 200 pessoas, sobretudo do sexo masculino, surgem quando os cristais de sais urinários formam pedras e não são expulsos, o que pode causar bloqueios no sistema urinário, infeções, fortes dores no abdómen ou mesmo sepsis. 
 
O calor, a elevada transpiração e a baixa ingestão de água levam a um maior risco de contrair a doença. Ter uma alimentação saudável e beber líquidos regularmente são, portanto, comportamentos que contribuem para minimizar o problema, alerta a Universidade do Minho.

Notícia sugerida por David Ferreira, Maria da Luz e Elsa Martins

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close