Ciência

Portugueses explicam septicemia

Cientistas portugueses do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) identificaram o que leva os órgãos a deixar de funcionar durante a septicemia e apresenta uma proteína capaz de travar a doença. A investigação faz a capa do próximo número da revista da
Versão para impressão
Cientistas portugueses do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) identificaram o que leva os órgãos a deixar de funcionar durante a septicemia e apresenta uma proteína capaz de travar a doença. A investigação faz a capa do próximo número da revista da especialidade “Science”, de acordo com o portal Ciência Hoje.

Miguel Soares, que liderou a investigação, explica que com esta descoberta é possível saber, na prática, “quem vai ou não morrer da doença”. O objetivo é agora desenvolver um tratamento.

A doença sepsis grave, despoletada por uma infecção, caracteriza-se por uma “queda repentina da pressão sanguínea” e pela progressiva perda das funções dos órgãos. “Os órgãos param de funcionar”, o que leva à morte, explica.

O  grupo de investigação descobriu que é o grupo heme, que se encontra dos glóbulos vermelhos, é libertado por estes durante uma infecção. “Até agora não se sabia porque isto acontecia”, diz.

E é este grupo heme que é o responsável pela perda de funções dos órgãos. O grupo heme, “a estrutura química que transporta o oxigénio”, contém um átomo de ferro que “mata as células dos órgãos”, de acordo com o mesmo responsável.

Ao mesmo tempo que o grupo heme se acumula no sangue, os níveis de hemopoxina, que o neutralizam, baixam. Em experiências com ratinhos de laboratórios, percebeu-se que administrando esta proteína, os ratinhos que estavam a desenvolver a doença registaram melhoras significativas.

Assim, a aplicação de hemopoxina protege os órgãos e abre portas para o tratamento da doença.

A investigação foi financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, e teve a colaboração da GEMI Fund Linde Healthcare (EUA), do Sexto Programa Quadro, do Programa Marie Curie, da Comissão Europeia, da Universidade do Missouri em Kansas City (EUA) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e FAPERJ (Brasil).

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close