Ciência

Portugueses estudam reparação de danos cerebrais

Investigadores de Coimbra descobriram o mecanismo de acção do óxido nítrico na proliferação de células estaminais neuronais, o que representa um progresso importante para a reparação de danos cerebrais.

Versão para impressão
Investigadores de Coimbra descobriram o mecanismo de acção do óxido nítrico na proliferação de células estaminais neuronais, o que representa um progresso importante para a reparação de danos cerebrais.

De acordo com a Lusa, o avanço nasceu de uma investigação desenvolvida no Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra que incidiu sobre o óxido nítrico, substância produzida no cérebro em condições inflamatórias, na sequência de lesão cerebral.

O estudo, publicado recentemente na revista científica “Stem Cells”, analisou a “proliferação de células estaminais neuronais sob a acção do óxido nítrico, clarificando o mecanismo de acção deste potencial alvo terapêutico para medicina regenerativa”, refere o CNC em comunicado.

Inês Araújo, investigadora do CNC que liderou a equipa responsável pelo estudo, disse à Lusa que “o processo de formação de novas células a partir de células estaminais neuronais na sequência de uma lesão cerebral não é particularmente robusto” e que se procuraram “formas de o tornar mais eficiente”.

Estas células têm “potencial para recuperar as zonas que foram lesionadas, deslocando-se para as zonas onde houve degeneração”, adiantou a bióloga, que desenvolve investigação fundamental na área das ciências da saúde.

O estudo foi desenvolvido em colaboração com a Faculdade de Medicina de Coimbra e a Universidade de Lund, na Suécia.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close