Saúde

Portugueses criam pijama para tratar a dermatite

NULL
Versão para impressão
De forma a fazer frente ao desconforto provocado pela dermatite, uma equipa de investigadores portugueses criou um pijama que pretende aliviar os sintomas da doença. Este “pijama cicatrizante” pode mesmo ajudar a tratar a dermatite atópica e os investigadores estão à procura de voluntários para o testar.

O projeto intitulado “2nd Dermis” está a ser posto em prática por alunos da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e pretende “avaliar a eficácia da utilização de peças de vestuário (camisola interior e leggings) com características especiais” no tratamento desta doença cutânea, explica a Lusa.

Os investigadores estão, neste momento, a recrutar doentes que queiram testar a roupa. “Basta usarem as peças de vestuário todas as noites, durante dois meses”, explicou Cristina Lopes, responsável pelo estudo, garantindo que a colaboração não implica a toma de qualquer medicamento. No total, a equipa espera incluir duas centenas de pacientes com dermatite atópica, que tenham idade superior a 12 anos.

No início e no fim do estudo, os participantes vão ser analisados por um médico, altura em que devem responder a um questionário relativo à qualidade de vida e fazer uma análise de sangue. Esta será a forma de analisar a eficácia do pijama.

Tudo graças ao quitosano

O pijama a ser testado pode lavar-se mais de 30 vezes sem perder as suas características. É feito de um tecido de algodão orgânico especial, impregnado com quitosano, uma propriedade que mostrou reduzir in vitro a proliferação de bactérias provenientes da pele de doentes com a doença. O quitosano é um componente natural antimicrobiano e cicatrizante, usado no tratamento de queimaduras e feridas cirúrgicas.

Os pijamas estão a ser confecionados por uma empresa de Guimarães e são feitos de tecidos suaves e confortáveis. “Se for comprovado o efeito benéfico dos têxteis impregnados em quitosano, os doentes com dermatite atópica beneficiarão de uma forma simples de tratamento complementar”, disse a investigadora da FMUP.

Esta ideia surgiu em consequência de um projeto que envolveu o Serviço e Laboratório de Imunologia da FMUP e vários outros centros de investigação (Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica, Centro de Nanotecnologia e Materiais Inteligentes, Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal e Faculdade de Farmácia da U.Porto).

A dermatite atópica é uma doença cutânea inflamatória crónica, caracterizada pelo aparecimento de manchas, lesões na pele e comichão, que afeta sobretudo as crianças.

Os interessados em inscreverem-se no estudo podem fazê-lo online na página da FMUP (Clique AQUI) ou diretamente no Instituto CUF Porto.

[Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes] 

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close