Negócios e Empreendorismo

Portugueses com formação elevada são inovadores

Mais de metade dos portugueses com níveis elevados de formação desenvolveram um novo produto ou serviço nos últimos três anos e 11% criaram um negócio para comercializar a sua ideia.
Versão para impressão
Mais de metade dos portugueses com níveis elevados de formação desenvolveram um novo produto ou serviço nos últimos três anos e 11% criaram um negócio para comercializar a sua ideia. A conclusão é de um estudo cujos resultados foram dados a conhecer esta quinta-feira e salienta a capacidade de inovação portuguesa.
 
O trabalho, coordenado por Eric von Hipper, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), foi apresentado numa conferência da Faculdade de Ciências Económicas da Universidade Católica (Católica Lisbon) e analisou a incidência da “inovação de utilizador” entre os portugueses.
 
Os investigadores contactaram mais de 9.000 cidadãos com elevados níveis de formação, incluindo cientistas e profissionais de saude, e obtiveram cerca de 2.200 respostas válidas. Segundo o estudo, citado pela Lusa, “61% dos portugueses com níveis elevados de formação desenvolveram nos últimos três anos um novo produto ou serviço”.
 
Além disso, 18% dos inquiridos no estudo são inovadores e utilizadores – expressões que se referem à criação de um novo produto ou serviço com o objetivo de usar o mesmo para resolver um determinado problema e não para ser comercializado. Entre os exemplos de inovações deste género estão a World Wide Web (WWW), o kite-surfing, o líquido corretor, algumas aplicações do iPhone ou tratamentos e equipamentos médicos.

Capacidade inovadora portuguesa superior à de países congéneres
 

De acordo com a Universidade Católica, no Reino Unido e na Holanda, são cerca de 15% os inovadores utilizadores. “O estudo revela a elevada capacidade inovadora dos portugueses, superior à dos cidadãos de países congéneres onde já foram realizados estudos da mesma natureza”, salienta a instituição, acrescentando que estes resultados são “excelentes notícias” para Portugal.
 
Segundo a universidade, este dado “tem claras implicações para as políticas públicas, pois trata-se de um tipo de inovação que tem sido genericamente ignorado pelos decisores públicos”. Além disso, também as empresas podem tornar-se mais inovadoras se tentarem comercializar as inovações desenvolvidas pelos utilizadores.
 
O estudo revelou ainda que cerca de 18% dos inovadores utilizadores já usaram a proteção de propriedade intelectual para os seus produtos. Quanto ao género, a percentagem de inovação é maior nos homens inquiridos – 20% -, descendo para 13% entre as mulheres. No entanto, a percentagem de inovação feminina é superior à registada noutros países, o que significa que as portuguesas são mais inovadoras.
 
Além de Eric von Hippel, do MIT, participaram no estudo Pedro Oliveira, da Católica Lisbon, e Joana Mendonça, do Ministério da Educação e Ciência.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close