Saúde

Portugueses ajudam a perceber origem do Alzheimer

Cerca de 20 investigadores internacionais, entre eles cientistas da Universidade de Coimbra, descobriram que os recetores para a adenosina (molécula que funciona como sinal de stress no organismo), são os grandes responsáveis pelo aparecimento de pro
Versão para impressão
Cerca de 20 investigadores internacionais, entre eles cientistas da Universidade de Coimbra, descobriram que os recetores para a adenosina (molécula que funciona como sinal de stress em vários sistemas do organismo), são os grandes responsáveis pelo aparecimento de problemas de memória e de doenças como o Alzheimer.

O estudo, feito em ratinhos, recorreu a uma técnica de optogenética (que não existe na natureza e que usa a luz para atuar e controlar ocorrências específicas em sistemas biológicos).

O objetivo era ativar estes receptores de adenosina (conhecidos como A2A) e controlar o comportamento dos circuitos neuronais, explica a Universidade de Coimbra num comunicado enviado ao Boas Notícias.

“No exato momento em que os modelos animais desempenhavam as tarefas de memória, foi possível verificar, inequivocamente, que uma simples ativação intensa do recetor A2A era suficiente para provocar danos no circuito e gerar problemas de memória”, explica Rodrigo Cunha, coordenador da equipa portuguesa, citado pelo mesmo comunicado.

Investigadores vão criar fármaco para bloquear recetor

Esta descoberta é importante para a doença de Alzheimer, caracterizada pela perda de memória, sobretudo “para o desenvolvimento de novos fármacos”.

“Se a simples ativação do recetor A2A é suficiente para causar distúrbios na memória, é possível desenvolver bloqueadores seletivos deste recetor”, defende o professor da Faculdade de Medicina da UC.

Agora, a equipa pretende “desenhar moléculas químicas (que poderão ser, por exemplo, semelhantes à cafeína) que atuem exclusivamente sobre este receptor, impedindo-o de provocar danos na memória”, uma vez que vários estudos já confirmaram que o consumo de substâncias como a cafeína diminuem as probablidades de desenvolver a doença de Alzheimer.

Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close