Ciência

Portuguesa faz nascer melancias sem sementes

A ideia de uma melancia sem sementes pode parecer estranha mas é também uma proposta tentadora para quem quer apreciar a fruta sem incómodo. Graças ao trabalho de uma aluna portuguesa, tal deverá ser possível já a partir do próximo ano.
Versão para impressão
A ideia de uma melancia sem sementes pode parecer estranha mas, embora incomum, é também uma proposta tentadora para quem quer apreciar a fruta sem incómodo. Graças à portuguesa Diana Soares, aluna finalista da Escola Superior Agrária de Castelo Branco, tal deverá ser possível já a partir do próximo ano.
 
A aposta neste tipo de melancia surgiu no âmbito da sua tese de fim de curso, que consiste em estudar a plantação de melancia sem semente para a empresa Hortas da Idanha, sociedade com participação municipal em Idanha-a-Nova e que agrega os produtores locais. 
 
Em declarações à Lusa, Joaquim Soares, vereador e responsável pela empresa Hortas de Idanha, explicou que o pedido de uma variedade de melancia sem o inconveniente da pevide foi efetuado “por uma cadeia de grandes superfícies, interessada em comprar”. 
 
Na sequência da solicitação, Diana Soares realizou testes com esta nova variedade durante o Verão, tendo colhido os primeiros exemplares nas últimas semanas. Até ao final do mês que vem, a jovem portuguesa espera ter concluído o estudo com indicação dos índices de produtividade, caraterísticas e métodos de trabalho para quem quiser plantá-la. 

Melancia será mais cara que a tradicional
 

Segundo Joaquim Soares, o objetivo é que no Verão de 2013 possa “haver melancia sem semente para distribuir”. O responsável adianta que esta melancia, totalmente vermelha, carnuda e sem pontos negros, será mais cara que a tradicional, já que “o  sucesso de germinação é mais baixo e o custo por planta é maior”, mas sublinha que “o sabor é excelente”.
 
Diana Soares, que tem trabalhado no cultivo desta nova variedade da fruta, muito famosa nos campos de Idanha-a-Nova, alerta que, quem a consumir, vai ainda ver pequenos pontos brancos, “sementes muito pequenas, que se engolem sem notar”, sendo que “todas as outras desapareceram”.
 
A estudante acrescenta ainda que a melancia sem pevides é “mais pequena, mais fácil de manusear, mais doce e mais crocante”, nascendo a partir de uma variedade sem pólen viável, que tem de ser plantada ao lado de outra que a fertilize: “quanto mais proximidade, melhor o resultado”, conclui. 
 
No total, em 2012, colheram-se 60 exemplares para a realização de testes em laboratório, com diferentes datas de maturação e plantados em condições de terreno distintas. O propósito é apurar qual a melhor forma de produzir e a altura ideal para a colheita.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close