Ciência

Portuguesa descobre insetos a 2000m de profundidade

São insetos minúsculos, que "vivem em total escuridão", desprovidos de asas e de olhos. Para os descobrir, Ana Sofia Reboleira teve de se deslocar até à gruta mais profunda do mundo, numa área remota do Mar Negro.
Versão para impressão
São insetos minúsculos, que “vivem em total escuridão”, desprovidos de asas e de olhos. Para os descobrir, Ana Sofia Reboleira teve de se deslocar até à gruta mais profunda do mundo, numa área remota do Mar Negro.

A bióloga, natural das Caldas da Rainha, explica que o animal descoberto é “a última espécie do animal terrestre mais profundo de sempre, ao ser descoberto à impressionante profundidade de 1980 metros abaixo da entrada da cavidade”.

Nunca antes tinha sido descoberta vida a tão grande profundidade, e a descoberta lança “novas luzes sobre a forma como olhamos para a vida na Terra”, explica à Lusa a bióloga da Universidade de Aveiro, uma das protagonistas do feito alcançado.

Animais adaptados à profundidade

Como foi publicado, na terça-feira, na revista científica “Terrestrial Arthropod Reviews”, os animais têm o nome de colêmbolos e são insetos primitivos que desenvolvem, há milhões de anos, mecanismos de adaptação que os permitem viver a grandes profundidades.

A descrição, feita pelos zoólogos da Universidade de Navarra, Rafael Jordana e Enrique Baquero, indica que algumas das características que permitem aos insetos adaptarem-se à escassez de luz e de alimento são o facto de não possuírem pigmentação, serem desprovidos de olhos, e de desenvolverem “estratégias morfo-fisiológicas que lhes permitem viver em grandes profundidades durante milhões de anos”.

Colêmbolos descobertos na gruta mais profunda do mundo

Os seres vivos foram encontrados durante uma expedição Ibero-Russa do CAVEX Team, durante a qual Ana Sofia Reboleira, em conjunto com Alberto Sendra, do Museu Valenciano de História Natural, descobriu, ao todo, quatro espécies desconhecidas até à data.

A viagem, que aconteceu no verão de 2010, tinha como missão chegar a uma gruta que chega aos 2191 metros de profundidade, conhecida como Krubera-Vorónia, e que se situa na Abcásia, uma área remota nas montanhas do Cáucaso Ocidental e perto do Mar Negro. Pela primeira vez foi descoberta fauna no

Estas não são as primeiras espécies descobertas por Ana Sofia Reboleira que, durante o trabalho realizado em grutas da Serra D'Aires e Candeeiros, no Algarve e em Montejunto, tinha já descoberto três escaravelhos e um pseudoescorpião.

Pode consultar uma infografia sobre o inseto descoberto e sobre a expedição Iberto-Russa AQUI.

[Notícia sugerida por Raquel Baêta e Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close