Negócios e Empreendorismo

Português publica no principal jornal económico mundial

O Journal of Economic Literature, um dos mais conceituado da área a nível mundial, acaba de publicar um artigo de revisão critica da autoria de Paulo Reis Mourão, professor da Universidade do Minho, que analisa o problema orçamental de Portugal.
Versão para impressão
O Journal of Economic Literature, um dos mais conceituado da área a nível mundial, acaba de publicar um artigo de revisão critica da autoria de Paulo Reis Mourão, professor da Universidade do Minho, que analisa o problema orçamental de Portugal.

Em comunicado, a UMinho conta que Paulo Reis Mourão parte da obra “A Questão Financeira Resolvida” (1868), de José Barbosa Leão, para rever a importância do Orçamento de Estado (OE) na vida pública e avaliar o futuro da economia nacional.

Segundo o autor, este livro provou que se Portugal avançasse para a descentralização reduziria a despesa do Estado em 46% (nos maiores ministérios pouparia ainda mais) e teria também 'superavits' (lucros) orçamentais.

“Barbosa Leão transformou uma análise exaustiva que parecia imprópria de um médico de formação na primeira obra da bacia mediterrânica a calcular ganhos de eficiência pela descentralização fiscal e administrativa, tão possível como urgente, pondo muita da despesa e receita pública nas mãos de paróquias, municípios e distritos civis”, refere o artigo de Paulo Reis Mourão, publicado na edição de Dezembro do jornal.

O professor de Economia da universidade minhota encontra comparações nos governos dos tempos modernos com os de há 150 anos e cita passagens “intemporais” do livro: “O défice subiu a este enorme algarismo pois os governos nunca pensaram seriamente em fazê-lo desaparecer. (…) A redução dos vencimentos dos funcionários não é justa, pois são pequenos e foram definidos quando a vida não era tão cara e o numerário valia muito mais”.

“Há três défices no país: o do orçamento, o moral, e o de homens de Estado” ou “O povo é governamental e governável”, são outras citações de Barbosa Leão que poderiam ser de estadistas atuais.

Portugal viveu na década de 1860 tempos conturbados: um governo por semestre em média, tributação violenta, desencontro do povo com governantes. Mas também se aprovou o primeiro Código Civil e acabou com a pena de morte e a escravatura ultramarinas.

“Nos dias de hoje vivemos o período indicado para dar um novo destaque à obra de Barbosa Leão, perdida em alfarrabistas na maioria dos seus exemplares, e refletir a fundo sobre o OE, a descentralização e onde cortar eficazmente na despesa pública”, realça o também investigador do Núcleo de Investigação em Políticas Económicas (NIPE) da UMinho.

Clique AQUI para ler um resumo do artigo no blogue de Paulo Reis Mourão.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close