Cultura

Português nomeado cavaleiro pelo governo francês

Um professor e investigador da Universidade do Algarve vai ser condecorado com o título de Chevalier de l'Ordre des Arts et des Lettres. A mesma comenda já foi concedida a nomes como Clint Eastwood, Bob Dylan e T.S. Eliot.
Versão para impressão
Manuel Célio Conceição, professor e investigador da Universidade do Algarve, vai ser condecorado com o título de Chevalier de l'Ordre des Arts et des Lettres, pelo Ministério da Cultura e Comunicação de França. A mesma comenda já foi concedida a nomes como Clint Eastwood, Bob Dylan e T.S. Eliot.
 
A atribuição do grau de Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras visa distinguir aqueles que se distinguem pelas suas criações no domínio artístico ou literário e pela sua contribuição ao desenvolvimento das artes e das letras, não só na França como em todo o Mundo.

De acordo com o comunicado da universidade, o português sente-se muito honrado com a notícia desta distinção, que diz representar “um incentivo e uma motivação acrescida para continuar a trabalhar neste quadro de globalização, de necessária afirmação cultural e mútuo respeito”.
 
O professor da Universidade do Algarve na área de Línguas e Literaturas orgulha-se, particularmente, pelo destaque que lhe é dado ser no país onde fez parte da sua formação e com o qual mantém relações afetivas e académicas muito fortes.
 
“Creio que esta condecoração se deve ao meu trabalho em prol do respeito e da promoção pela diversidade cultural e linguística que, sem falsas modéstias, nunca pensei que pudesse vir a ser reconhecido a tão alto nível”, diz.
 
Nos últimos dez anos, Manuel Célio Conceição (na foto acima) tem participado em vários projetos nacionais e internacionais de docência, de extensão e de investigação relativos à definição e promoção de políticas de línguas que promovam a diversidade e a verbalização própria das culturas.
 
“No atual contexto de mundialização/globalização em que estamos não se pode anular diferenças culturais e linguísticas. Elas representam a essência das diferentes comunidades e nem o pretexto da resolução da crise pode justificar a aculturação imposta pela redução de uma língua com estatuto próximo ao de “língua franca”, defende o professor.
 
Manuel Célio Conceição é doutorado pela Universidade Nova de Lisboa. Atualmente dirige o 3º ciclo de Ciências da Linguagem na Universidade do Algarve e integra o Conselho Científico desde 2010. 
 
É ainda membro da direção do European Council for Languages/Conseil Européen pour les Langues, da Comissão Científica da Rede Panlatina de Terminologia – REALITER. 

Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close