Cultura Em Destaque

Português lança primeiro livro sobre a economia da Fórmula 1

Paulo Reis Mourão, professor da Universidade do Minho, acaba de lançar o primeiro livro no mundo sobre a economia da Fórmula 1.
Versão para impressão
por redação

“The Economics of Motorsports: The Case of Formula One”, editado pela inglesa Palgrave, mostra em 300 páginas aspetos como os custos das corridas, o papel dos media e patrocinadores ou de que forma a sociedade beneficia desta indústria. Conhece-se ainda os segredos para ser uma equipa vencedora, as influências na sustentabilidade de um projeto e perspetiva-se o futuro da modalidade.

“Há muitos livros sobre a Fórmula 1, inclusive sobre a sua mecânica ou a gestão das equipas, mas este é o primeiro sob o olhar de um economista”, diz o autor. A obra destina-se ao público em geral e deve-se a seis anos de trabalho. “Estamos longe do British Motorsport Valley e das sedes das construtoras, o que tornou a investigação mais árdua, mas permitiu outro contacto com os diversos agentes”, salienta.

Cada prova do “grande circo” implica dezenas de milhões de euros, suportados por promotores nacionais e internacionais. Paulo Reis Mourão defende a transparência nos processos, porque incluem também dinheiros públicos, e revela metodologias para que os patrocinadores saiam beneficiados, em especial nos meios mediáticos e digitais: “A Liberty Media, agora detentora do campeonato da Fórmula 1, está apostada no entretenimento e em nivelar a qualidade dos carros, crescendo a competitividade, quando na ‘era Ecclestone’ dominavam três escuderias”.

Paulo Reis Mourão admite o regresso da principal categoria do desporto automóvel a Portugal, no autódromo do Algarve. “É um investimento a pelo menos dez, quinze anos, superior a 800 milhões de euros, envolvendo a população, os promotores regionais e sobretudo o Governo”, alega. “Os contratos de um circuito na F1 são a longo prazo, com estruturas que têm de ser transformadas e suportadas, permitindo ganhos só após vários anos”, frisa. O país não recebe uma prova desde 1996. A LibertyMedia quer alargar o mapa para além das 21 corridas em 2019. Ferrari, McLaren, Toyota, Renault, Toro Rosso e Williams já fizeram testes no Algarve.

Para o docente da UMinho, uma boa equipa faz-se do triângulo investidores-proprietários-fãs. A sua sobrevivência e a dos próprios pilotos depende “de cada ponto que obtêm no fim da prova e que vale muito dinheiro”. Difere do início da modalidade, em que certas escuderias resistiram graças à paixão dos fãs. A obra foca ainda a longevidade de pilotos não ganhadores, como o britânico Martin Blundell e o italiano Andrea de Cesaris, “talvez por serem da nacionalidade de construtoras automóveis”. O economista nota que este desporto não serve apenas as elites: “Tornou-se um fantástico campo de testes das inovações, como na segurança e na interação pessoa-veículo, que permite haver menos mortes e termos essas tecnologias no quotidiano”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close