Cultura

Português eleito presidente de museu de arte inglês

O português António Horta-Osório foi nomeado para presidente do conselho de administração do museu londrino Wallace Collection, em Inglaterra, considerado um dos mais importantes da Europa. A nomeação foi feita pelo primeiro-ministro britânico.
Versão para impressão
O português António Horta-Osório foi nomeado para presidente do conselho de administração do museu londrino Wallace Collection, em Inglaterra, considerado um dos mais importantes da Europa. A nomeação foi feita pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron.
 
Horta-Osório, atual presidente do grupo bancário Lloyds, vai substituir, a partir de Janeiro, 'sir' John Ritblat, um empreendedor britânico do setor imobiliário que ocupou o cargo durante uma década, período durante o qual o número de visitantes aumentou 80%. 
 
De acordo com um comunicado da instituição, a nomeação do português foi efetuada, formalmente, por David Cameron, que, por ser primeiro-ministro, é responsável pela designação dos administradores do museu, cujo acervo foi doado, no final do século XIX, pela viúva de Richard Wallace, filho ilegítimo e herdeiro do quarto Marquês de Hertford.
 
“Sinto-me imensamente privilegiado por ter a oportunidade de ser o presidente da Wallace Collection na próxima fase da sua evolução e por continuar o grande trabalho feito por 'sir' John na década passada”, disse o português. 
 
Também John Ritblat, o seu antecessor, se mostrou satisfeito com a eleição. “Estou encantado por ver a Wallace Collection. Estou certo de que [Horta Osório] vai provar ser uma escolha extraordinária e vai apreciar as suas funções neste museu glorioso”, declarou o britânico. 
 
Durante o mandato de John Ritblat foram concluídos vários projetos de reabilitação do edifício construído no final do século XVIII, que serviu de embaixada de Espanha e França e de residência dos marqueses de Hertford, até à abertura do museu público em 1900. 

Museu bateu recorde de visitantes em 2013

No decurso da próxima década, o museu ambiciona tornar-se uma referência em termos de arte francesa do século XVIII e de armas e armaduras reais europeias, bem como aumentar a acessibilidade e o acolhimento de uma audiência diversificada, encorajar o conhecimento e modernizar as infraestruturas.
 
Além de um fundo importante de arte francesa do século XVIII e de armas e armaduras reais, a Wallace Collection possui, também, um número importante de quadros de grandes pintores europeus como os flamengos Franz Hals e Rubens, o espanhol Velazquez ou o italiano Ticiano. 
 
Segundo os termos da doação feita pela viúva de Richard Wallace ao Estado britânico, a coleção de 5.637 peças, a preservar, não pode ser aumentada nem reduzida. A entrada no museu, situado no centro de Londres e que, o ano passado, atraiu um número recorde de 415 mil visitantes, é gratuita.
 
António Horta-Osório, de 50 anos, é presidente do Lloyds desde 2011, depois de ter trabalhado para o grupo Santander durante 17 anos. É também administrador e consultor em diversas instituições de ensino, culturais e de investigação nacionais e internacionais, como a universidade London Business School, em Inglaterra, e o Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

Notícia sugerida por Maria da Luz e Patrícia Guedes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close