Negócios e Empreendorismo

Português converte móveis usados em peças únicas

Tendo em mente a preocupação com a reciclagem e nas mãos a vontade de dar uma nova vida a peças de mobiliário usadas que, de outra forma, acabariam no lixo, Fernando Barbosa criou o projeto Sempar, transformando-as em obras de arte únicas.
Versão para impressão
Foi durante uma visita à casa dos avós de um amigo que se apercebeu das histórias que um móvel antigo pode ter para contar. Tendo em mente a preocupação com a reciclagem e nas mãos a vontade de dar uma nova vida a peças de mobiliário usadas que, de outra forma, acabariam no lixo, Fernando Barbosa criou o projeto Sempar – Your Soul Mirror, transformando-as em obras de arte únicas que querem ser “o espelho da alma” dos clientes.
 
Por Catarina Ferreira
 
“Quando olhámos para os móveis começámos a perceber o potencial que tinham, imaginámos tudo aquilo que já tinham 'vivido' e decidimos fazer algo com eles, dar-lhes um novo ser”, conta Fernando, 40 anos, que trabalha com o amigo e designer Carlos Almeida, em entrevista ao Boas Notícias.
 
A ideia surgiu há mais de um ano, mas “só há cerca de um mês este projeto viu a luz do dia e surgiu no mercado”, para que houvesse tempo suficiente para “reunir todas as condições estruturais para que a empresa possa laborar e ter alguma capacidade de resposta”. 
 
Desde mesinhas de cabeceira a aparadores, “todos têm grande potencial” e todos são convertidos por este empreendedor (que gosta de “olhar para a peça e ver mais além”) em, como o próprio nome do negócio indica, objetos sem par. No que toca à inspiração, pode vir da música, dos livros de banda desenhada e até das cidades, sendo a criatividade o único limite.
 
“Os móveis são geralmente comprados em lojas da especialidade e, como somos de uma zona de mobiliário [Paredes], para já, vamos tendo por onde escolher”, explica Fernando, que admite que a relação custo/benefício também pesou na decisão de usar peças usadas como matéria-prima, visto que, deste modo, “os custos globais de produção baixam significativamente”, permitindo à empresa ser competitiva e praticar “preços mais acessíveis”. 
 
Ao mesmo tempo, Fernando, que tirou o curso de gestão de empresas na Universidade do Algarve, consegue aplicar ao negócio as suas preocupações ecológicas, que o acompanham desde sempre. “Ao reutilizar peças antigas total ou parcialmente não contribuo para o abate das árvores, um dos bens mais preciosos que o Homem tem, mas teima em destruir apenas por ganância”, sublinha.
 
“Desta forma, sei que contribuo para um planeta mais verde e, simultaneamente, para que o futuro dos nossos filhos seja mais risonho. É um pequeno passo, mas é um passo na direção certa”, considera o promotor da Sempar, cujo passado profissional envolvera já empresas de móveis e carpintaria onde pôde “adquirir conhecimentos”. 


Empresa oferece aos clientes uma opção de personalização total dos móveis, desenhando a nova aparência “única e exclusivamente” consoante cada pedido
 

A transformação dos móveis obedece a um “processo criativo e de pesquisa exaustivo”, que permite obter, no final, “uma peça harmoniosamente fiel ao tema”, provando que “o móvel não tem de ser um objeto amorfo, sem vida e sem sentido, pelo contrário”. 
 
“O primeiro trabalho que fizemos foi um móvel, pensado por mim, para representar o amor de duas pessoas que se conheceram e apaixonaram na Fuseta e que gostam de ouvir músicas dos Íris”, recorda o responsável da Sempar, que diz ter juntado “um pouco do antigo e do novo”, obtendo “um móvel robusto, sólido e único”, como se pretende “que seja o amor e a relação do casal”. 
 
Parte das renovações são idealizadas pelos mentores da empresa – e, nesse caso, os preços oscilam entre os 300€ e os 500€ (sendo os mais caros os móveis de casa-de-banho) – mas há também uma opção de personalização total, em que o preço começa nos 350€ e que possibilita que a peça seja desenhada “única e exclusivamente para o cliente”.
 
“A pessoa dá-nos o tema, as medidas e o conhecimento do local onde o móvel irá ser colocado e a partir daí desenvolvemos um projeto que reflete o seu desejo”, revela Fernando, adiantando ao Boas Notícias que está, neste momento, a trabalhar em dois projetos, um deles inspirado pela cidade de Paris e pela banda AC/DC e outro pelo tema “bicicletas”. 
 
Embora se trate de um negócio recente, o empresário mostra-se otimista em relação ao futuro e garante que o balanço da procura no primeiro mês é positivo. “Ainda é cedo para falar porque estamos há pouco tempo no mercado e a conjuntura económica atual é bastante adversa, mas a reação a estes conceitos tem sido muito boa, temos recebido muitos elogios e muito apoio”, conclui. 

Clique AQUI para aceder ao site oficial da Sempar e AQUI para visitar a página da empresa no Facebook. 

Artigo sugerido por Rosaly Pereira

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close