Ciência

Português co-autor de dispositivo que gera eletricidade

Ricardo Ribeiro é coautor de uma investigação internacional que deu azo à criação de um dispositivo, com a espessura de um atómo, que gera eletricidade. O projeto científico foi publicado no dia 2 de Maio, na revista Science.
Versão para impressão
Ricardo Ribeiro é coautor de uma investigação internacional que deu azo à criação de um dispositivo, com a espessura de um atómo, que gera eletricidade. O projeto científico desenvolvido em conjunto com Andre Geim e Konstantin Novoselov, ambos Nobel da Física 2010, foi publicado quinta-feira, dia 02, na revista Science.

Este dispositivo tem “uma capacidade extraordinária” e promete revolucionar o modo como é produzida a energia elétrica. Ricardo Ribeiro, do Centro de Física da Universidade do Minho (UMinho), acredita que este poderá ser “um novo paradigma na fotodeteção e na energia solar”.

Image and video hosting by TinyPicEm comunicado enviado ao Boas Notícias, o investigador da UMinho (à direita) explica que a eletricidade gerada com este dispositivo é produzida de “uma forma limpa”, com base na utilização de “materiais amigos do ambiente”.

Um dos materiais utilizados na construção do mecanismo foi o grafeno, subproduto da grafite, descoberto em 2004 por Gaim e Novoselov, que é o material mais fino do mundo e, por isso, melhor condutor de eletricidade do que o cobre. Outra das vantagens da utilização deste material é a sua resistência, superior à do aço.


Um dos melhores conversores do mundo

“Por cada 100 fotões de luz, 30 são convertidos em eletricidade, o que o coloca entre os melhores conversores de luz em eletricidade que existem. E também já pode competir com as melhores células solares que se produzem, apesar de ser apenas um protótipo”, explica Ricardo Ribeiro.

Uma das possibilidades que este dispositivo oferece é a sua integração em muitos tipos de substrato, incluindo aqueles que são mais flexíveis, como o caso do plástico. “Vai ser possível ter células solares com alta eficiência embutida nas nossas roupas e a carregar os nossos telemóveis”, salienta Ricardo Ribeiro.


O estudo “Strong Light-Matter Interactions in Heterostructures of Atomically Thin Films” contou com a participação de Andre Geim e Konstantin Novoselov, os “Nobel do grafeno”, e de investigadores das universidades de Manchester (Reino Unido), Minho (Portugal), Freie (Alemanha), Nacional de Seul (Coreia do Sul), Nacional de Singapura (Singapura) e o Instituto de Tecnologia de Microeletrónica (Rússia).
 
Clique AQUI para aceder ao estudo publicado na revista Science (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close