Saúde

Portugal vai ter primeira escola para pessoas com dor

A Cátedra de Medicina da Dor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), apoiada pela Fundação Grünenthal, vai organizar este ano a primeira Escola para Pessoas com Dor, uma iniciativa inédita no nosso país.
Versão para impressão
A Cátedra de Medicina da Dor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), apoiada pela Fundação Grünenthal, vai organizar este ano a primeira Escola para Pessoas com Dor, uma iniciativa inédita no nosso país que pretende transmitir aos doentes conhecimentos sobre a dor e as formas de minorar o seu impacto.
 
Em comunicado enviado ao Boas Notícias, Carina Raposo, responsável pela escola, explica que “o programa educativo está organizado em seis sessões, nas quais médicos, enfermeiros e psicólogos irão abordar temas como a avaliação da dor, o seu significado físico e psicológico, técnicas e estratégias simples, do dia-a-dia, para ajudar a prevenir e combater a dor, incluindo algumas atividades físicas acessíveis a todos”. 
 
Além disso, acrescenta Carina Raposo, nesta Escola “será também estimulada a partilha de experiências entre os participantes, num ambiente de grande interatividade”. 
 
Inicialmente, como esclarece José Castro Lopes, professor responsável pela Cátedra, a iniciativa “destina-se apenas a doentes que frequentem as Unidades de Dor Crónica dos hospitais do Grande Porto”, mas o objetivo é alargá-la “a qualquer pessoa que sofra de dor”.
 
A participação nas aulas não comporta qualquer custo, estando, porém, limitada aos participantes inscritos. A primeira sessão decorre já no dia 14 de Setembro, pelas 15.00h, e as seguintes vão decorrer nos cinco sábados seguintes, entre as 15.00h e as 17.30h, na biblioteca do Departamento de Biologia Experimental da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.
 
A Cátedra de Medicina da Dor resulta da uma parceria entre a FMUP e a Fundação Grünenthal, destinada a apoiar a investigação e a formação nesta área do conhecimento médico.
 
A dor crónica é reconhecida como um grave problema de saúde pública com impacto significativo na qualidade de vida das pessoas e enormes custos individuais e sociais. 
 
Em Portugal, o impacto socioeconómico da dor crónica é estimado em 1,6 mil milhões de euros por ano, um montante que atinge os 3 mil milhões de euros quando somados os gastos com incapacidades temporárias, “baixas” e reformas antecipadas.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close