Inovação e Tecnologia

Portugal tem turbina eólica flutuante pioneira no mundo

NULL
Versão para impressão
Foi instalada com êxito a primeira turbina eólica flutuante na costa portuguesa. O projeto desenvolvido pela EDP, a InovCapital e a Principle Power é pioneiro a nível mundial, já que não exigiu a utilização de qualquer equipamento de carga pesada offshore. Além disso esta é a primeira turbina eólica em águas abertas no Atlântico.

Portugal tem a funcionar a partir de agora um sistema de captação da energia do vento capaz de obter resultados muito mais elevados que as tradicionais turbinas em terra. O Windfloat, como foi batizado, é um sistema inovador que graças à sua localização privilegiada capta ventos com um potencial energético bastante elevado.

“A tecnologia eólica em alto mar, mais concretamente o WindFloat, permitir-nos-á explorar ventos mais fortes e estáveis e, a médio prazo, assegurar energia sustentável para o nosso sistema elétrico. Este é o momento para a realização exaustiva de testes e para a validação, com vista a avançar no desenvolvimento desta tecnologia promissora. O WindFloat coloca a EDP na vanguarda da exploração eólica offshore”, disse em comunicado o presidente da empresa de energia, António Vidigal.

A turbina portuguesa resulta de um consórcio entre a EDP, a Inov Capital, plataforma de apoio ao empreeendedorismo, e a Principle Power, responsável pela construção de toda a tecnologia. Outros 60 parceiros europeus participaram no desenvolvimento do projeto.

O Windfloat partiu das instalações da Lisnave, em Setúbal, e encontra-se agora na costa da Aguçadoura (Póvoa do Varzim), a cerca de 350 quilómetros de terra. Até ao local, a turbina foi transportada por um rebocador, algo só possível graças à estabilidade do Windfloat, garante o comunicado da EDP.

Pretende-se alargar o projeto para o Oceano profundo

Além de ser a primeira turbina eólica em águas abertas no Oceano Atlântico, o Windfloat representa a “primeira colocação offshore de uma estrutura semi submersível que sustenta uma turbina eólica multi-megawatts”.

“Este é um momento histórico de cortar a respiração”, declarou Alla Weinstein, CEO da Principle Power. “De certa forma, estamos a dar um passo gigantesco em direção a novos recursos energéticos, à semelhança do que aconteceu na indústria do petróleo e do gás durante a década de 1970, quando começaram a ser utilizadas as estruturas flutuantes”.

A responsável pela tecnologia deste projeto acrescentou ainda que assim se demonstram “as capacidades do setor marítimo português para se adaptar e fornecer os recursos necessários ao fabrico e à implantação de uma estrutura offshore desta escala”.

Nas próximas semanas será concluído o processo de testes da turbina para que possa entrar em completo funcionamento. “O oceano (profundo) é a próxima grande fronteira energética”, afirmou António Vidigal, Presidente da EDP Inovação.

[Notícia sugerida por Elsa Martins e Vitor Fernandes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close