Sociedade

Portugal sobe no “ranking” da liberdade de imprensa

Portugal continua a subir no índice da liberdade de imprensa. Em 2012 o país saltou para a 28ª posição da tabela - uma subida de cinco lugares -, depois de, no ano anterior, ocupar o 33º lugar, em consequência de uma melhoria de sete posições.
Versão para impressão
Portugal continua a subir no índice da liberdade de imprensa. Em 2012 o país saltou para a 28ª posição da tabela – uma subida de cinco lugares -, depois de, no ano anterior, ocupar o 33º lugar em consequência de uma melhoria de sete posições. A lista, divulgada esta terça-feira pela organização internacional Reporters Without Borders (RWB), é, mais uma vez, encabeçada pela Finlândia.
 
“Depois da 'Primavera Árabe' e de outros protestos que provocaram subidas e descidas no Índice de Liberdade de Expressão do ano anterior, o relatório de 2013 marca o regresso a uma configuração mais habitual [dos países na tabela]”, explica a RWB através de um comunicado publicado no seu site oficial.
 
“A posição da maior parte dos países já não se deve a desenvolvimentos políticos repentinos, sendo que o índice deste ano reflete melhor as atitudes e intenções dos governos em direção à liberdade de imprensa a médio e longo-prazo”, acrescenta a organização não-governamental  fundada em 1985 e sediada em França.
 
À semelhança do que aconteceu o ano passado, o pódio é ocupado por Finlândia, Holanda e Noruega, respetivamente. Os finlandeses surgem, aliás, pelo terceiro ano consecutivo, “como o país que mais respeita a liberdade de imprensa” considerando fatores como a legislação ou a violência contra os jornalistas.

Brasil e China apontados como exemplos negativos
 

No extremo oposto aparecem, uma vez mais, o Turquemenistão, a Coreia do Norte e a Eritréia, países ditatoriais que continuam a destacar-se pela negativa no que toca ao desrespeito pelos meios de comunicação social e à mão pesada da censura.
 
A RWB salienta ainda – também pela negativa – os casos do Brasil e da China, que, embora sejam olhados como modelos de desenvolvimento regional, continuam a ter um desempenho fraco ao nível da liberdade de imprensa e de informação.
 
O Brasil, por exemplo, alavanca económica da América do Sul, deu seguimento à queda de posições na tabela, tendo descido nove lugares até ao 108º devido à morte de cinco jornalistas no ano passado e dos persistentes problemas associados à pluralidade dos media.
 
Também a China permanece sem sinais de melhoramento: apesar de ter subido uma posição (para 173º), o país continua a manter na prisão muitos jornalistas e a censura aplicada na Internet, cada vez mais criticada, mantém-se como um forte obstáculo ao acesso à informação. 
 
O índice, que inclui 179 países, resulta de dados obtidos através de um inquérito lançado pela RWB a 18 associações de defesa da liberdade de expressão nos cinco continentes aos seus 150 correspondentes, bem como jornalistas, investigadores, juristas e defensores dos direitos humanos.
 
Clique AQUI para consultar o resumo do relatório do World Press Freedom Index (em inglês) e o “ranking” completo.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close