Sociedade

Portugal no topo da tolerância religiosa

Portugal é dos países europeus que mais defende a igualdade de direitos entre religiões, conforme revela um estudo alemão da Universidade Westfälisches Wilhems, apresentado em Berlim esta semana.

Versão para impressão
Portugal é dos países europeus que mais defende a igualdade de direitos entre religiões, conforme revela um estudo alemão da Universidade Westfälisches Wilhems, apresentado em Berlim esta semana.

De acordo com o estudo intitulado Religião e Política, dirigido pelo professor e sociólogo das religiões Detlef Pollack, 89% dos portugueses acredita que “todos os grupos religiosos devem ter direitos iguais”.

Segundo aponta o ACIDI – Alto Comissariado para a imigração e diálogo intercultural, em comunicado, abaixo de Portugal situa-se França, com 86%, seguida da Holanda (82%), Dinamarca (72%).

Sobre se “a pluralidade religiosa produz conflito ou enriquecimento cultural?”, os portugueses voltam a revelar-se os mais tolerantes, atingindo os 80%, a par da Dinamarca e da Holanda.

Seguem-se 70% de alemães, avaliados em conjunto nesta questão e, por último, surgem os franceses (59%).

A escolha dos países que o estudo inclui deveu-se aos diversos patamares de diversidade religiosa, embora tenha focado o Islão devido aos acontecimentos mundiais da última década. Portugal foi objeto de estudo justamente por contraste, ou seja, pelo facto de a diversidade religiosa não ser tão pronunciada.

A Alemanha foi incluída no estudo devido ao seu elevado número de imigrantes muçulmanos, concentrados sobretudo nas regiões ocidentais, pelo que o país foi analisado em dois blocos geográficos. França, debate-se atualmente com a controvérsia da proibição do uso da burqa, além das tensões sociais e da consequente violência protagonizada pela Polícia e jovens muçulmanos.

A Dinamarca foi alvo de todas as atenções quando um jornal, em 2005, publicou cartoons do Profeta Maomé e a Holanda viu ser assassinado o realizador Theo van Gogh, autor de um filme que os muçulmanos acusaram de “ofender” e “distorcer” os preceitos islâmicos, conforme lembra o ACIDI.

Pode consultar algumas das conclusões deste estudo clicando aqui.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close