Ciência

Portugal na construção do maior telescópio do mundo

Portugal confirmou esta terça-feira que vai ser um dos países participantes na construção do maior telescópio ótico/infravermelho do mundo (E-ELT).O país vai contribuir com cerca de 5,1 milhões de euros, pagos ao longo de dez anos.
Versão para impressão
Portugal confirmou esta terça-feira que vai ser um dos países participantes na construção do maior telescópio ótico/infravermelho do mundo (E-ELT). Este projeto desenvolvido pelo Observatório Europeu do Sul (ESO, sigla em inglês), tem início previsto para o final deste ano.

Esta decisão torna Portugal num dos líderes do “avanço da astronomia no solo nas décadas futuras” e “beneficiará significativamente astrónomos, construtores de instrumentos e a indústria do país”, afirma o diretor do Observatório, Tim de Zeeuw, em comunicado, acrescentando que desta forma o projeto E-ELT dá “mais um passo no sentido de se tornar realidade”.

Segundo o comunicado, o E-ELT permitirá um avanço gigante no conhecimento astrofísico, através de estudos detalhados dos primeiros objetos do Universo, planetas em órbita de outras estrelas, buracos negros de massa extremamente elevada e da natureza e distribuição da matéria escuro e da energia escura, que dominam o Universo.

O E-ELT, que vai ficar localizado no Cerro Armazones, no norte do Chile, próximo do Observatório do Paranal do OES, é considerado uma das maiores prioridades da astronomia europeia no solo e um dos principais projetos do OES para as próximas décadas, adiantou o comunicado.

Portugal aderiu ao ESO em Junho de 2000, tendo a sua adesão sido ratificada pelo parlamento português em Maio de 2001.

O país contribui para os custos anuais da operação da infra-estrutura com cerca de um por cento do orçamento global da organização – cerca de 1,8 milhões de euros em 2012 – valor que se mantém, aproximadamente, em 2013. A contribuição adicional de Portugal ao E-ELT rondará os 5,1 milhões de euros, pagos ao longo dos dez anos da construção.

No comunicado, o ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, sublinha que “a adesão ao projeto E-ELT tem um grande significado para Portugal. Os nossos cientistas poderão participar na investigação proporcionada por este telescópio e a nossa indústria terá o desafio de concorrer a este empreendimento a que têm acesso apenas os países aderentes ao E-ELT”.

Notícia sugerida por Lídia Dinis

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close