Ambiente

Portugal mais perto de deixar de ver animais como coisas

"Um avanço histórico", é assim que o partido Pessoas Animais Natureza (PAN) classifica a reação positiva da Ministra da Justiça à ideia de alterar o estatuto jurídico dos animais.
Versão para impressão
“Um avanço histórico”, é assim que o partido Pessoas Animais Natureza (PAN) classifica a reação positiva da Ministra da Justiça à ideia de alterar o estatuto jurídico dos animais. Num debate sobre o tema, na Assembleia, Francisca Van Dunem defendeu que os animais devem deixar de ser encarados como “uma coisa”.
 
Esta quarta-feira na Assembleia da República, num debate promovido pelo PAN, os partidos discutiram a lei de criminalização dos maus tratos a animais, alterada em 2014, num encontro que contou com a presença de representantes de diversas entidades relacionadas com o bem estar animal, como a Ordem  dos veterinários e a União Zoófila.

Durante a conferência foi abordada a hipótese de alterar o estatuto jurídico dos animais que, perante a lei, são encarados como objetos ou mercadorias. Esta é uma das reivindicações do PAN que vai, na próxima semana, agendar uma discussão para alterar a lei nesse sentido já que, diz o PAN, criminalizar os maus tratos a animais não chega, por exemplo, para evitar mortes desnecessárias nos canis ou por envenenamento. 

 
No encontro, a ministra da Justiça reagiu de forma positiva a esta hipótese. Na sua página oficial do Facebook, o PAN revelou que segundo Francisca Van Dunem, o caminho passa por os animais deixarem de ser uma coisa, obtendo-se uma classificação “entre uma coisa e um ser humano, que é onde se situam os animais”.
 
O PAN adianta que vai agendar ainda esta semana a discussão de uma proposta de lei para alterar o estatuto jurídico do animal em Portugal.

Mais de 500 denúncias desde outubro
 
Em Outubro de 2014 entrou em vigor alteração à  Lei 69/2014 de 29 de agosto, na qual os maus tratos e abandono de animais passaram a constituir crime. A lei prevê que “quem, sem motivo legítimo, inflingir dor, sofrimento ou quaisquer outros maus-tratos físicos a um animal de companhia” seja “punido com pena de prisão até um ano” ou “pena de multa até 120 dias”. 
 
No âmbito da alteração à lei, a PSP criou um endereço de correio eletrónico, (defesanimal@psp.pt), dedicado a este tema, para que os cidadãos possam contactar de forma mais simples as autoridades para esclarecimento de dúvidas ou para denúncias, num sistema muito semelhante ao existente no portal “e-queixa”, no sítio oficial da PSP. 

Num balanço dos números registados em 2015, divulgado em Março, a PSP revela que foram registadas quase 700 comunicações diversas (informações, dúvidas ou denúncias) das quais 507 corresponderam a denúncias de possíveis casos de maus tratos e/ou abandono de animais de companhia.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close