i9magazine

Portugal é uma startup promissora

Versão para impressão

Deu início à globalização, no século XV, tornando-se na primeira potência à escala mundial.

Como é que o país mais antigo do mundo e pioneiro da globalização pode ser apelidado de startup?

Todas as nações têm os seus altos e baixos e Portugal não é exceção. Precisamente pela sua antiguidade, já passou por vários tempos áureos e por vários períodos negros.

Portugal está atualmente, e mais uma vez na sua história, a explorar. A tentar descobrir qual o posicionamento certo para uma pequena nação num mundo em que, cada vez mais, a força dos números conta. A tentar descobrir qual o seu papel e o que tem para oferecer, de novo, ao mundo.

Encontra-se portanto num contexto equivalente ao de uma startup, tentando validar o seu valor e oportunidades de crescimento da forma mais célere e interativa possível.

O país abraça uma verdadeira cultura de inovação e de empreendedorismo. Por esse motivo, atrai agora os olhares dos mais atentos.

Este primeiro vislumbre de sucesso deve-se a um conjunto de fatores – talento, ciência e infraestruturas – que agora se alinham mas que começaram a ser construídos (poderemos arriscar dizer) há cerca de vinte/trinta anos – muito pouco tempo para uma nação.

Uma aposta na educação e na investigação permitiu formar profissionais competentes e cientistas de craveira mundial. Portugal registou, de facto, um avanço significativo nestas áreas, a que não são indiferentes as parcerias internacionais MIT Portugal, CMU Portugal, UT Austin Portugal e Fraunhofer Portugal, agora a celebrarem dez anos. Há atualmente uma nova geração de portugueses com talento, qualificações e competências comparáveis às das nações mais avançadas do mundo.

Portugal dotou-se também de infraestruturas laboratoriais, tecnológicas e de apoio às empresas de referência. A primeira incubadora de base tecnológica surgiu em 1991, na cidade de Coimbra, por iniciativa da Universidade de Coimbra, que lançou uma entidade autónoma – o Instituto Pedro Nunes (IPN) – para esse efeito. Hoje em dia, todas as universidades do país têm infraestruturas semelhantes, de que salientamos UPTEC (no Porto), Madan Parque (em Lisboa) e IEUA (em Aveiro). A juventude deste promissor país startup é ainda mais evidente quando se verifica que as duas principais entidades promotoras do empreendedorismo em Lisboa – a Beta-i e a Startup Lisboa – foram criadas em 2010 e 2011, respetivamente. E em Braga, a Startup Braga, apenas em 2014.

Um fator tipicamente indispensável para o crescimento rápido e global de uma startup é a disponibilidade de capital de risco. Em Portugal, este setor está a dar os primeiros passos. Quase inexistente até 2009, foi significativamente impulsionado com o lançamento de fundos de coinvestimento entre o Estado e os “business angels” e as sociedades de capital de risco. Outro marco fulcral foi a reformulação operada em 2012, que resultou na criação da Portugal Ventures – a atual sociedade de capital de risco pública. Estando o setor em franco desenvolvimento, o desafio passa por criar laços internacionais fortes. Não há ainda nenhuma grande SCR internacional permanente no país. Portugal pode ser uma excelente porta para a Europa e para o mundo português.

Com o alinhamento destes fatores, Portugal deu origem, num curto espaço de tempo, a startups tecnológicas capazes de vencer no mercado global – casos da Farfetch, Feedzai, Talkdesk, Uniplaces, Codacy, entre outras. Muitas mais empresas promissoras estão a nascer um pouco por todo o país. Nas mais diversas áreas, desde as profundamente tecnológicas – TIC, Saúde, Energia, Transportes, etc. – até às mais tradicionais –Textêis, Moda e Calçado, Cortiça, etc. Há uma nova comunidade de empreendedores e freelancers que se organiza em coworks, fablabs e outras formas de colaboração.

Portugal está a criar um verdadeiro ecossistema nacional de empreendedorismo. Lisboa e Porto, as duas grandes áreas metropolitanas, assumem-se já como hubs de inovação à escala europeia. Lisboa, em particular, apresenta um crescimento marcante, fruto da sua capacidade de atração de talento e recursos internacionais. Coimbra, como cidade universitária de excelência, diferencia-se pelo empreendedorismo assente em ciência e tecnologia de ponta. O crescimento de Braga e Aveiro, e a sua proximidade ao Porto, reforçam o ecossistema do norte do país, de cariz fortemente industrial.

O mundo está a mudar rapidamente e Portugal também. Em poucas décadas, registou um progresso assinalável. O país, como startup promissora, tem de continuar a atrair talento e investimento, ganhar credibilidade e internacionalizar. Não é quando um mercado está numa fase inicial de crescimento que se deve entrar? De que está à espera?!

João Bigotte
Professor Auxiliar – Inovação e Empreendedorismo
Universidade de Coimbra | MIT Portugal

O conteúdo Portugal é uma startup promissora aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close