Sociedade

Portugal é um dos melhores países para se ser mãe

Portugal situa-se em 13º lugar no ranking mundial que determina quais os melhores e os piores países para se ser mãe. A ONG "Save the Children" avalia, todos os anos, as chances de sobrevivência e as condições de vida que mães e filhos têm nos seus p
Versão para impressão
Portugal situa-se em 13º lugar no ranking mundial que determina quais os melhores e os piores países para se ser mãe. A organização internacional “Save the Children” avalia, todos os anos, as chances de sobrevivência e as condições de vida que mães e filhos têm nos seus países, com base em dados como as condições de saúde, educação e representação política.

O nosso país subiu dois lugares em relação ao ranking de 2012, em que foi classificado com o 15º lugar. Nesse ano, Portugal tinha descido duas posições em relação aos resultados de 2011, sendo que agora volta a recuperar os resultados que detinha anteriomente.

Neste 14º relatório da “Situação das Mães no Mundo”, a “Save the Children” revela as medidas de 186 países diferentes para assegurar a sobrevivência das mães e dos filhos. Para além disso, a organização não-governamental (ONG) avalia os sistemas de saúde existentes e as ações que são desenvolvidas no sentido de reduzir as mortes de bebés recém-nascidos.

Portugal (ainda) lidera redução da mortalidade infantil 

Segundo o relatório apresentado esta terça-feira à Organização das Nações Unidas, Portugal encontra-se no grupo dos dez países que detém as melhores políticas de “redução relativa da mortalidade infantil”, sendo que todos estes países registam um decréscimo de mais de 70%, entre os anos de 1990 e de 2011.

Apesar destes indicadores, a mortalidade infantil tem aumentado em Portugal desde 2011. Estes dados mostram uma inversão na tendência de queda que se tem verificado em Portugal, e que tem colocado o país em destaque a nível mundial, indicando que a taxa de mortalidade infantil (antes do ano de vida) passou de 2,5 para 3,1 óbitos por cada mil nados-vivos.

Participação das mulheres na vida política

Para além das condições de saúde e sobrevivência, o estudo mundial mede ainda o número de anos de escolaridade da população, que em Portugal é de 16,2 anos, e também a representação que as mulheres têm na vida política, a nível nacional, sendo que em Portugal a percentagem de lugares ocupados é de 28,7%.

Segundo o relatório da “Save the Children”, a junção destes parâmetros permite conhecer “onde as mães e os filhos se saem melhor e onde enfrentam as maiores dificuldades”.

Na apresentação pública do estudo, a presidente da ONG Carolyn Miles relembrou o acordo assinado por todos os países das Nações Unidas “para reduzir a mortalidade infantil em dois terços”.

“Temos vindo a percorrer um longo caminho, mas não vamos conseguir atingir a meta sem um novo foco no salvamento destas vidas. O relatório apresenta as crescentes evidências de que o mundo tem ferramentas de baixo custo que podem ajudar a prevenir a morte de milhões de recém-nascidos, que eram consideradas inevitáveis”, realça Carolyn Miles.

Clique AQUI para consultar o relatório da ONG “Save the Children” (em inglês).

Notícia sugerida por Elsa Martins

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close