Sociedade

Portugal é o 6º país europeu que mais respeita LGBTI

Portugal é o 6º país da Europa com mais respeito pelos direitos da comunidade LGBTI - Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgéneros e Intersexuais. A conclusão é da associação ILGA Europe que, esta quinta-feira, divulgou o relatório Rainbow Europe.
Versão para impressão
Portugal é o 6º país da Europa com mais respeito pelos direitos da comunidade LGBTI – Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgéneros e Intersexuais. A conclusão é da associação ILGA Europe que, esta quinta-feira, divulgou o relatório Rainbow Europe, composto por dois documentos que refletem a realidade de 49 nações europeias em relação a esta questão.
 
Este relatório analisa, em primeiro lugar, a legislação e políticas dos países que têm um impacto direto nos direitos humanos de que beneficiam os cidadãos com orientações sexuais minoritárias e, em segundo lugar, a evolução política e social em termos do dia-a-dia, representada no mapa Rainbow Europe Map. 
 
De acordo com os documentos publicados, o “ranking” é liderado por Reino Unido, Noruega e Bélgica – os países que mais respeitam as minorias sexuais -, seguindo-se-lhes Suécia, Espanha e Portugal, que conseguiu uma percentagem total de 65%. Pelo contrário, os países onde a realidade é mais perigosa para a comunidade LGBTI são a Rússia, a Arménia e o Azerbeijão.
 
Para chegar a esta conclusão, a ILGA Europe avaliou critérios como o respeito da liberdade de reunião, associação e expressão (cujo nível de cumprimento por Portugal  é de 100%, o mais elevado do nosso país), asilo (50%), leis e políticas contra a discriminação (52%), reconhecimento da família (52%), proteção contra o discurso de ódio ou crime (72%) e reconhecimento legal de género (80%). 

Respeito total pelos direitos é aspiração longínqua
 

“O nosso 'pacote' Rainbow Europe mostra, claramente, que o respeito total pelos direitos das pessoas LGBTI continua a ser uma aspiração a longo-prazo em vez de um objetivo que será alcançado em breve”, afirma Martin Christensen, co-presidente do conselho executivo da ILGA Europe, em comunicado.
 
“Não há um único país na Europa que preencha a 100% todos os critérios do Rainbow Map. Em muitos países, a luta que se trava é ainda em nome de direitos políticos e civis fundamentais que a maioria de nós, ao viver em sociedades democráticas, tem por garantidos. E é particularmente preocupante que alguns destes países sejam da União Europeia”, alerta Christensen. 
 
A mesma opinião é partilhada por Gabi Calleja, também co-presidente do conselho executivo. “O retrato [traçado por este relatório anual] está longe de ser satisfatório. Ao passo que alguns países marcam pontos no Rainbow Map por terem boas leis, a situação no terreno é, frequentemente, bem diferente”, salienta.
 
“Mesmo nos países com as políticas e leis mais avançadas, há uma percentagem surpreendentemente elevada de pessoas LGBTI que ainda têm de ajustar os seus comportamentos diariamente por sentirem medo de serem alvos de violência e assédio em público”, lamenta a responsável. 
 
O relatório em causa mostra ainda que, no que toca às instituições europeias, o Conselho da Europa foi aquele que beneficiou de um maior progresso, já que a entidade está a trabalhar no desenvolvimento de um sistema de monitorização dos direitos humanos da comunidade LBTI. No entanto, “infelizmente, nenhumas mudanças de política e legislação dirigidas à promoção da igualdade foram adotadas ao nível da União Europeia”.

Clique AQUI para conhecer mais aprofundadamente os resultados de Portugal, AQUI para consultar o relatório completo (em inglês) e AQUI para visualizar o Rainbow Map. 
 

Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close