Ciência

Portugal desenvolve tradução Fala para Fala

Investigadores portugueses estão a desenvolver, em conjunto com a universidade norte-americana de Carnegie-Mellon, um sistema de tradução automática que permite traduzir um orador para outra língua, utilizando a própria voz. A tecnologia PT Star p

Versão para impressão
Investigadores portugueses estão a desenvolver, em conjunto com a universidade norte-americana de Carnegie-Mellon, um sistema que permite traduzir automaticamente um orador para outra língua, utilizando a própria voz de quem fala. A tecnologia PT STAR pode ter várias aplicações mas é sobretudo importante nas áreas da informação e do entretenimento ou para a aprendizagem de línguas estrangeiras.

Quando o PT STAR estiver concluído será possível, por exemplo, ouvir um noticiário estrangeiro em português com a voz do próprio apresentador e vice-versa. A mesma tecnologia poderá ser aplicada em filmes e em situações do dia-a-dia, por exemplo no caso de alguém que se desloque a um país estrangeiro cuja língua não domina.

A coordenadora do projeto, Luísa Coheur, explicou ao Boas Noticias que a tradução Fala para Fala tem por base três grandes componentes. Primeiro é necessário um reconhecedor de fala, que transcreve o que está a ser dito na língua original, depois o texto passa pelo sistema tradutor que traduz para a língua alvo e, finalmente, é necessário um sintetizador que converte para áudio e na língua alvo o resultado do tradutor.

Para fazer a tradução, o PT-STAR recorre ao tradutor Moses, “um sistema amplamente usado pela comunidade científica”, salienta Coheur. Tal como acontece com outros tradutores automáticos, também com o Moses poderá escapar uma tradução errada de uma palavra isolada do contexto.

Mas a coordenadora do projeto salienta que “nos últimos anos os motores de tradução têm evoluído muito” e muitas vezes “ficamos surpreendidos pela positiva com a qualidade da tradução”.

Por enquanto, os investigadores estão a apostar nos sistemas de Tradução Automática de Fala para Fala de português para inglês e vice-versa, mas a Universidade de Macau já está a trabalhar na aplicação da tecnologia à língua chinesa e outras línguas poderão ser adicionadas quando o PT STAR estiver completamente operacional.

O projeto está a ser desenvolvido desde maio de 2009 numa constante colaboração com a Carnegie Mellon, através de email e de Skype mas também de intercâmbios. “O ano passado tivemos a visita do Professor Alan Black, o coordenador deste projeto nos EUA, e também do Gopala Krishna Anumanchipalli, um dos alunos do programa de doutoramento Carnegie Mellon/Portugal”. Nos EUA está “um aluno português, o João Miranda, a completar o seu primeiro ano de doutoramento”, explica Luísa Coheur. 

Em Portugal o projeto está a ser desenvolvido em conjunto por investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores Investigação e Desenvolvimento (INESCID), do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (CLUL) e da Universidade da Beira Interior (UBI).

O PT STAR é um dos 10 projetos incluído no Carnegie Mellon/Portugal que junta várias universidades portuguesas e a universidade norte-americana. Os projetos têm uma duração de cerca de cinco anos e abrangem mais de 160 estudantes portugueses.

[Notícia sugerida pelo utilizador Miguel Tobias]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close