Saúde

Portugal: dados clínicos informatizados em 2012

Dentro de dois anos os portugueses deverão ter os seus dados clínicos disponíveis num sistema informático acessível a qualquer profissional de saúde público ou privado, disse esta sexta-feira à Lusa o coordenador do projeto. Sistema permitirá me
Versão para impressão
Dentro de dois anos os portugueses deverão ter os seus dados clínicos disponíveis num sistema informático acessível a qualquer profissional de saúde público ou privado, disse esta sexta-feira à Lusa o coordenador do projeto. Sistema permitirá melhorar cuidados de saúde e reduzir despesas.
 
“O que está apontado é que até final de 2012 consigamos ter um conjunto de dados mínimo para cada doente. Algo como os diagnósticos, prescrição, alergias e vacinas, por exemplo”, declarou à agência Lusa o coordenador nacional do Registo de Saúde Eletrónico, Luís Campos, cuja nomeação foi hoje publicada em Diário da República.

O Registo de Saúde Eletrónico pretende ser um serviço informático que terá a informação de saúde essencial de cada cidadão, tornando-a acessível sempre que seja necessário.

Para Luís Campos, este é um investimento “útil” nesta fase da economia portuguesa porque contribui para reduzir a despesa dos serviços de saúde. Apesar de não adiantar estimativas dos montantes a investir, o responsável refere que o projeto terá “um retorno que pode chegar aos 200%”.

Além de aproveitar a informatização já feita nos serviços de saúde, o projeto vai permitir, por exemplo, evitar a repetição desnecessária de exames médicos.

Terá ainda, refere Luís Campos, “um enorme impacto na continuidade e melhoria dos cuidados e da segurança dos doentes”.

“Uma das grandes vantagens deste projeto é que é nacional e diz respeito a cada um dos 10 milhões de portugueses, independentemente se são tratados no Serviço Nacional de Saúde ou nos privados”, adianta o coordenador.

Numa primeira fase, até final de 2012, pretende conseguir-se dar acesso a um conjunto mínimo de dados sobre cada cidadão, mas o projeto vai expandir-se até 2015 e será necessário lançar concursos públicos para a criação de uma plataforma tecnológica.

A confidencialidade e segurança dos dados são preocupações centrais deste projeto, diz Luís Campos, que conta com o apoio da Comissão Nacional de Proteção de Dados.

“Terá um impacto muito positivo ao nível da garantia de confidencialidade de dados e possibilidade de níveis de acesso conforme o perfil de cada profissional”, salienta.

Neste momento isso não acontece: “os processos clínicos andam nos hospitais e há muita gente que tem acesso, sem diferenciação”, justifica.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close