Saúde

Portugal: Biomaterial regenera discos da coluna

NULL
Versão para impressão
Investigadores portugueses desenvolveram um novo biomaterial que pode resolver problemas de desgaste dos discos intervertebrais. Esta descoberta irá melhorar a qualidade de vida de milhões de pessoas que sofrem da conhecida “dor de costas”. O estudo foi publicado no “Journal of Tissue Engineering and Regenerative Medicine”.

Os discos intervertebrais são as estruturas que garantem a absorção de impactos e conferem uma certa mobilidade entre as vértebras. Existem já algumas formas de reduzir os problemas provocados pelo seu desgaste (como fisioterapia, anti-inflamatórios e intervenções cirúrgicas). No entanto, não existe ainda nenhum tratamento regenerativo.

É este tipo de tratamento que o grupo português 3B's – Biomateriais, Biodegradáveis e Biomiméticos, da Universidade do Minho, propõe no “Journal of Tissue Engineering and Regenerative Medicine”.

Um tratamento regenerativo


O projeto é um biomaterial capaz de regenerar a coluna, que atua na regeneração do núcleo do disco e é introduzido através de uma intervenção cirúrgica.
 
Miguel Oliveira, um dos investigadores envolvidos no trabalho, explicou ao Boas Notícias que este material “é um hidrogel à base da goma gelana, um
heteropolissacárido aniónico obtido da bactéria Sphingomonas elodea”.

O investigador explicou que este material “permite ser injetado no local de

defeito através de métodos minimamente invasivos, e em poucos segundos
reticula no local de defeito, o que permite reduzir os tempos de cirurgia”.


Para além disso, é um material biocompatível, isto é, pode ser utilizado em humanos sem que haja uma reação inflamatória. Este hidrogel permite ainda “estimular as células a iniciar o processo regenerativo e ajuda a eliminar a dor na zona de lesão”.

Um projeto bem sucedido

Já estão concluídos os ensaios in vitro e em animais de pequeno porte e os investigadores começaram agora a executar experiências em animais de grande porte, como ovelhas. O próximo passo são os ensaios em seres humanos que, segundo Miguel Oliveira, deverão acontecer “no prazo de três anos”.

O cientista explicou ainda que este material já está patenteado: “Já
iniciámos a sua comercialização, para fins de investigação científica,
através da nossa empresa STEMMATTERS, sediada no Avepark, Caldas das Taipas-Guimarães”.

[Notícia sugerida por Raquel Baêta, Mafalda de Sampaio Borges e Vítor Caixeiro]

[Notícia atualizada dia 09-08-2011 às 14h25]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close