Sociedade

Portos poderão criar mais de 200 postos de trabalho

Os portos portugueses poderão gerar, no prazo de três a cinco anos, mais de 200 novos postos de trabalho. É esta a crença de João Carvalho, presidente do Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM).
Versão para impressão
Os portos portugueses poderão gerar, no prazo de três a cinco anos, mais de 200 novos postos de trabalho. É esta a crença de João Carvalho, presidente do Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM), dada a conhecer esta quarta-feira.
 
Em entrevista à Lusa, o presidente do IPTM, entidade reguladora do setor portuário, defendeu que “o número de postos de trabalho nos portos nacionais pode crescer 40% no prazo de três a cinco anos”, em consequência da implementação do novo regime laboral e do aumento da carga movimentada.
 
Os portos de Portugal Continental empregam, atualmente, cerca de 650 estivadores, e João Carvalho prevê a criação de mais de duas centenas de postos de trabalho adicionais, rejeitando, portanto, o argumento dos trabalhadores, que têm protestado contra a nova legislação, que acreditam que vai criar desemprego.
 
“São precisos mais trabalhadores, porque o movimento de carga está a crescer. Com a nova lei, em três anos, haverá muito mais emprego”, garantiu, salientando também a “necessidade de rejuvenescer [a mão de obra]”.
 
O presidente alertou ainda que “só há necessidade de mais emprego se vier mais carga” e que “quem pensar o contrário qualquer dia não tem emprego” já que, se as greves dos estivadores se prolongarem por muito mais tempo, “a probabilidade é que se percam clientes”.

Nova lei vai reforçar produtividade dos portos, antevê dirigente
 

“A questão de fundo é a imagem com que fica o porto [em greve]. Esta direção sindical deveria ouvir bem o que tem sido dito por toda a gente, porque qualquer dia está a provocar o desemprego, uma vez que a atividade está a diminuir bastante”, sustentou.
 
João Carvalho acredita portanto que, se for aprovada, a proposta de lei que, esta quinta-feira, vai ser discutida na generalidade, vai reforçar a produtividade dos portos, o que dará condições a estas infraestruturas para “concorrerem com os portos espanhóis e ficarem ao nível de outros grandes portos europeus”.
 
“Poderemos reduzir as taxas [portuárias], porque virão mais cargas e, com preços equivalentes a outros portos, ficamos em igualdade de circunstâncias”, concluiu.
 
O debate do novo regime do trabalho portuário, previsto no memorando de entendimento com a '”troika”, que vem substituir a legislação laboral em vigor desde 1993, levou os dois sindicatos, que o contestam, a convocar uma manifestação junto à Assembleia da República.
 
Recorde-se que os portos de Aveiro, Figueira da Foz, Lisboa e Setúbal estão em greves sucessivas desde setembro, tendo pré-avisos de greve até 17 de dezembro.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close