Ambiente

População de esquilo-vermelho aumenta em Portugal

O esquilo-vermelho voltou a Portugal. Após várias centenas de anos desaparecido das terras lusas, o animal está de regresso e já existem registos da sua presença no norte e centro do país. A Unidade de Vida Selvagem do Departamento de Biologia da Uni
Versão para impressão
Depois de ter sido considerado extinto, em Portugal, durante vários séculos, o pequeno roedor está definitivamente instalado em terras lusas. Já existem registos da sua presença no norte e no centro do país. A Unidade de Vida Selvagem do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro (UA) pede a ajuda de todos para reunir e divulgar informações sobre este esquilo.

Para já os trabalhos que existem  sobre o esquilo-vermelho em Portugal documentam a sua extinção no território luso no século XVI e apontam como causas prováveis a intensa destruição das florestas devido à agricultura e à construção naval que decorreu naquele século.

“Isso levou a uma destruição e fragmentação do habitat do esquilo o que originou o declínio das populações e consequente extinção desta espécie em território português”, conclui Rita Rocha.

Entretanto, o esquilo-vermelho expandiu-se da Galiza, em Espanha, para o norte de Portugal nos anos 80, onde teve uma rápida expansão. No ano 2.000 já se encontrava distribuído por todo o norte do país até ao rio Douro.

A equipa de biólogos da UA criou um projeto, designado “Esquilo Vermelho em Portugal”, que tem como objetivo “perceber a expansão do esquilo vermelho no território nacional, quais os fatores que influenciam essa expansão e os seus padrões de comportamento”, explica Rita Gomes Rocha, uma das investigadoras, à Lusa.

“Atualmente, já existem registos até quase ao Rio Tejo, mas não se sabe exatamente até onde é que esta espécie ocorre”, explica Rita.

Toda a gente pode ajudar a identificar o esquilo

A bióloga da UA, que está a estudar a expansão daquela espécie no país, lança um apelo para que sejam comunicados os avistamentos de animais e de vestígios da sua presença: “se vir um esquilo não deixe de nos dizer onde o encontrou”.

Em desenvolvimento na Unidade de Vida Selvagem do Departamento de Biologia da UA, o projeto pretende ainda fazer a caracterização genética da espécie para que, no conjunto final dos resultados, se perceba qual o futuro do esquilo no território nacional.

Na impossibilidade de estar permanentemente presente nas áreas florestais de norte a sul do país, a investigadora agradece o contributo de todos quantos avistarem esquilos ou indícios da sua presença, enviando os registos através de um inquérito online ou da página de Facebook do projeto.

A bióloga descreve o esquilo como “um simpático roedor com uma cauda bastante felpuda e que pode ser avistado nas florestas portuguesas, principalmente na copa das árvores. Apesar do seu nome esquilo-vermelho, a coloração varia bastante, desde acastanhada a totalmente preta”.
 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close