Sociedade

População carenciada recebe alimento de estudantes

Cerca de 30 pessoas, sem-abrigo e outros em situação de grande pobreza, recebem a sua "Refeição (de)vida" na última quinta-feira de cada mês. A iniciativa é da Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra (DG-AAC), em parceria com a Associação I
Versão para impressão
Cerca de 30 pessoas, sem-abrigo e outros em situação de grande pobreza, recebem a sua “Refeição (de)vida” na última quinta-feira de cada mês. A iniciativa é da Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra (DG-AAC), em parceria com a Associação Integrar. As refeições quentes são confecionadas pela cantina dos Serviços de Ação Social da Universidade de Coimbra e são distribuídas por alguns dos alunos da instituição.

O projeto surgiu no ano passado e para Susana Marçal, coordenadora do Centro de Acolhimento e Inserção Social da Integrar, esta é uma iniciativa que pode mudar mentalidades, sobretudo entre alguns grupos de universitários que muitas inflingem maus-tratos aos sem-abrigo, durante as festas académicas. Sobretudo, há também a vontade de mostrar que estas situações de pobreza extrema podem acontecer a qualquer um.

“É uma forma de mostrar aos estudantes que estas pessoas já tiveram uma vida normal e não devem ser desprezadas nem maltratadas. Eles acabam por levar consigo muito daquilo que vêem na rua. Muitos não têm noção de que, quando um sem-abrigo vai para um centro, tem de reaprender tudo: desde a higiene pessoal, a como estar sentado a uma mesa, ao porquê de ter de cumprir horários”, explica Susana Marçal ao Jornal de Notícias.

Patrícia Damas, estudante de psicologia de 21 anos e um dos dois elementos fixos da DG/AAC, nestas rondas, já foi surpreendida por um desses casos: “Há uns tempos, um senhor veio buscar comida com um saco cheio de livros. Já tinha uma certa idade, o discurso era cuidado… Foi das situações que mais me sensibilizaram”, conta a estudante.

A principal meta da DG-AAC neste monento é conseguir distribuir a “Refeição (de)vida” quinzenalmente.

Há falta de apoios fixos e patrocínios, mas Patrícia Damas garante ao Jornal de Notícias que a equipa está a “tentar estabelecer mais contactos, por exemplo, com indústrias de carne, às quais três ou quatro quilos a menos não fazem diferença”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close